A crise da SATA sem g(G)overno

A crise da SATA sem g(G)overno

Por Renato Moura Conta-se que uma corvina, residente nas Flores, ao saber que a sua neta se iria casar com um senhor de fora, que tinha sido colocado num serviço nesta ilha, mas que ela considerava pouco dotado, confidenciou: “Oh minha neta querida, pois se tu nada...
A crise da SATA sem g(G)overno

A luta pelo bem comum é dever de todos

Por Renato Moura Na última partilha instei os políticos a terem um papel activo na busca de urgentes soluções para os problemas da perda do famigerado porto das Flores. Podem tentar proteger-se: pois a culpa originária foi dos “outros”; quem governa não pode fazer...
A crise da SATA sem g(G)overno

Remediar o presente e salvar o futuro

Por Renato Moura A Ilha das Flores foi atingida em cheio pelo furacão Lorenzo. O Presidente do Governo dos Açores teve o bom senso de se deslocar para as Flores a tempo de acompanhar de perto a previsível crise e de deslocar meios para ajudar. Depois vieram também...
A crise da SATA sem g(G)overno

Posição ou missão?

Por Renato Moura Anos antes do 25 de Abril de 74, um Presidente de Câmara, dias depois de nomeado pelo Governador Civil, entrou nos paços do concelho com um vereador e com arrogância ditaram ordens. O sagaz Chefe de Secretaria, mal eles saíram, comentou: coitadinhos,...
A crise da SATA sem g(G)overno

Exercício político é humano institucional e moral

Por Renato Moura Realizadas as eleições, sucederam-se as análises: dos partidos, dos comentadores; com números, percentagens, explicações, justificações. Os valores, só no território nacional, dos 45,5% que se abstiveram e dos 2,5% que votaram em branco, têm um...
A crise da SATA sem g(G)overno

Alguns erram mas todos padecem e pagam

Por Renato Moura Uma das primeiras grandes decisões da autonomia foi: cada ilha um porto e um aeroporto. A Ilha das Flores foi a última a conhecer a decisão sobre o seu ansiado porto. O Governo de então, presidido por Mota Amaral – e assim com apoio exigido à maioria...