Um funeral sem lágrimas, sem flores

Um funeral sem lágrimas, sem flores

Pelo padre José Júlio Rocha O artigo primeiro da Declaração Universal dos Direitos Humanos afirma que “todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignidade e em direitos.” O segundo artigo diz que todos esses direitos lhe são inerentes, independentemente “de...
Um funeral sem lágrimas, sem flores

O bode mais infeliz é o expiatório

Pelo padre José Júlio Rocha Deve ter sido em 1977, andava eu na segunda classe, na escola velha da Fonte do Bastardo. Era um miúdo calmo e sossegado, tímido e sem muita vontade de andar à bulha com a malta da turma. Contentava-me, nos intervalos, com examinar os mapas...
Um funeral sem lágrimas, sem flores

Querida SATA: e que tal mais respeitinho?

Pelo padre José Júlio Rocha Tudo começou com o desejo de voltar à ilha Graciosa um ano depois. Somos três padres, amigos de longa data, dos tempos do seminário dos anos 80, quando, naquela casa, ainda se sabia jogar à bola e éramos praticamente invencíveis em futsal....
Um funeral sem lágrimas, sem flores

A lei do peixe maior

Pelo padre José Júlio Rocha Aqui há dias vi, no Facebook, um vídeo engraçado. Tratava-se de dois cães separados por uma cancela de barras de metal. Um dos cães do lado de dentro e outro do lado de fora, cada um no seu território. Ladravam enraivecidos, um contra o...
Um funeral sem lágrimas, sem flores

Diz-me com quem andas, não te direi quem és

Pelo Padre José Júlio Rocha Ralph Fiennes é um ator pouco mais que sobredotado, um génio indiscutível e dificilmente igualável na sétima arte. Um dos seus papéis mais bem conseguidos pode ser visto naquele que considero um dos melhores filmes de todos os tempos e,...
Um funeral sem lágrimas, sem flores

Duas vezes mãe

Pelo padre José Júlio Rocha O ano de 1980 marcou definitivamente a história da ilha Terceira, deixando uma marca indelével na sua estrutura física e cultural, e um selo na mente dos que por cá habitavam nessa altura. Foi o famoso sismo de 80, do qual nos levantámos a...