Por Pe Norberto Brum

Decididamente, a juventude marca a vida! É a Primavera que nos abre os horizontes do Verão da vida.

É tempo das descobertas, das aventuras inebriantes, da ousadia da coragem, do arriscar, da força que se quer ganhar e da vida que se decide viver em plenitude… é busca! E como os jovens buscam!

No emaranhado de um mundo confuso, de uma sociedade que escasseia nas respostas aos desafios, onde quase não se espera mas se desespera, eis uma busca cada vez mais constante de autenticidade que, por vezes, tanto custa a vislumbrar, a busca de uma justiça perdida, de um caminho para o qual muitas são as setas indicadoras, de um sentido para o qual não faltam propostas.

E, tantas vezes, surge a ideia de que hoje estamos perante uma geração “rasca”, vazia, indecisa e indefinida mas, no íntimo mais íntimo, estamos perante uma geração “à rasca”: andam à rasca para entrarem na Universidade no curso desejado. Quando conseguem tirar o tão desejado curso andam à rasca à procura de emprego! Querem realizar projectos e ideias e andam à rasca sem meios para os concretizar! Querem viver uma vida em matrimónio e andam à rasca à procura de casa! Quando têm filhos andam à rasca para conseguir uma creche! Oferecem-lhes drogas e andam à rasca para se livrarem dela! Abrem a televisão e andam à rasca para encontrar alguma coisa que faça valer o tempo que se dedica! Fazem guerras e andam à rasca à procura da Paz! Acusam-os disto e daquilo e andam à rasca para encontrarem formas de dizer o contrário! Falam-lhes de amor e verdade, de justiça e fraternidade e andam à rasca para encontrar estes valores espalhados nas vidas de quem os proclamam! Falam-lhes de Deus e de Cristianismo e andam à rasca à Sua procura no ser e agir de quem lhes garante que é “cristão”!

Mas vale a busca, o desejo desenfreado de fazer este mundo e esta Igreja voltar à sua verdade inicial, às origens do Paraíso.

Vale a busca dos braços abertos de um Deus que em Jesus Se faz próximo, que Se ajoelha perante o homem para lhe lavar os pés, de um Deus que sara as feridas, que toca, que toma pela mão e levanta!

Vale a busca do Deus que “não veio para condenar mas para salvar”, de um Deus que continua a propor caminhos de seguimento e entrega!

Vale a busca da verdade, impressa no coração, a busca daquele rosto que, apesar de tantas vezes parecer obscuro, continua a espelhar-se nas periferias, nas próprias periferias a que cada um se instalou e se relegou e naquelas a que foram lançados!

Os caminhos são muitos, mas “O Caminho” é só um! E este continua a valer para os nossos jovens.

Celebrar o Dia Mundial da Juventude é poder sentir o pulsar do Cristo Jovem no “jovem-Cristo” dos nossos dias! É ousar a alegria de manifestar que Cristo e a Sua Igreja continuam a ser propostas válidas! É ousar a rebeldia de quem não se conforma, de quem não se instala, de quem não desiste mas coloca-se em marcha para fazer surgir a novidade que capacita a vida para ser mais vida.

Ontem, hoje e amanhã, o jovem será sempre jovem! E, por ser jovem, necessita de viver como jovem, expressar-se como jovem, sentir a adrenalina da vida… e por ser jovem, carece que o olhem e o reconheçam como jovem!

E como é jovem, urge que o ajudemos a ser jovem!

 

Pe. Norberto Brum, Diretor do Serviço Diocesano de Apoio à Pastoral Juvenil (Escreve por ocasião do Dia Mundial da Juventude)