Pelo Pe José Júlio Rocha.

Então olhou para todos à sua volta e disse ao homem: «Estende a mão». Ele assim fez e a mão ficou curada. Os escribas e fariseus ficaram furiosos e começaram a falar entre si do que haviam de fazer a Jesus. (Lucas 6, 11-12)
Jesus cura um homem a um sábado. É um escândalo para os escribas e fariseus, que, agarrados à letra morta da lei, esquecem o que verdadeiramente importa: a dignidade da pessoa humana.
Quando uma religião, perante os desafios do mundo, se defende agarrando-se a tradições que já não fazem sentido, não está a ser fiel.
Não podemos parar no tempo e deixar as pessoas morrerem de fome de Deus.