Pelo Pe José Júlio Rocha.

«Nenhum servo pode servir a dois senhores, porque, ou não gosta de um deles e estima o outro, ou se dedicará a um e desprezará o outro. Não podeis servir a Deus e ao dinheiro». (Lucas 16, 13)
A radicalidade evangélica exige de nós uma libertação das amarras do materialismo. Servir ao dinheiro é ser escravo dele.
Há gente tão pobre, tão pobre, que a única coisa que tem é dinheiro. Há riquezas muito mais valiosas.
Jesus não nos pede que sejamos pobres, que doemos tudo o que temos. Pede-nos, muito simplesmente, que o dinheiro e os bens materiais não tomem conta da nossa alma.