Pelo Pe José Júlio Rocha.

«Eu estou sempre convosco até ao fim dos tempos». (Mateus 28, 20)
Na pintura de Miguel Ângelo, que representa a criação de Adão, na Capela Sistina, três centímetros separam o dedo de Deus do dedo do homem. É o drama de toda a experiência humana: estamos próximos de Deus mas nunca O tocamos.
A esses três centímetros nós damos o nome de fé.
Hoje, ao ascender ao Céu, Jesus deixa-nos a palavra final: “Eu estou sempre convosco”.
O ditado popular diz: “longe da vista, longe do coração”. Para quem ama verdadeiramente, esse ditado não diz a verdade. Não há longe nem distância para quem ama.