D. António de Sousa Braga ordenou dois novos diáconos na diocese

Tal como Maria se deixou surpreender e interrogar pelo mistério de Deus, entregando-se-Lhe totalmente, também os cristãos devem abrir o seu coração a Deus, disse esta tarde o Bispo de Angra na ordenação dos dois novos diáconos da Diocese, Pedro Aguiar e Gaspar Pimentel, que decorreu no Santuário de Nossa Senhora da Conceição, em Angra do Heroísmo, na ilha Terceira.

D. António de Sousa Braga referenciou em particular a responsabilidade dos que são chamados ao exercicio dos ministérios e assim vão servir a igreja.

“Não é a tomada de posse de um cargo. É a unção pelo Espírito Santo, que habilita a cumprir a missão confiada” com “fidelidade e alegria, a caminho do sacerdócio ministerial, que esperamos seja dentro em breve”, sublinhou o prelado diocesano.

“Os Leitores e Diáconos não são meros militantes de uma causa, por mais nobre que seja. Estão ao serviço desta economia da graça, realizada em Cristo e que chega até nós, hoje, pela mediação da Igreja, através das três dimensões, em que se concretiza sua missão: Serviço da Palavra, da Liturgia e da Caridade” explicitou o Bispo de Angra.

Discorrendo sobre o papel de cada um , o responsável pela igreja católica nos Açores começou por afirmar que o Leitor “é chamado para o Serviço da Palavra”, lendo-a, educando na fé crianças e adultos e preparando-os “para receberem dignamente os Sacramentos e anunciar a Boa Nova da salvação aos que ainda não a conhecem”.

Já os diáconos, referiu D. António de Sousa Braga, têm por missão “ajudar o Bispo e o seu presbitério no Serviço da Palavra, do Altar e da Caridade”.

“O diaconado surgiu na Igreja como serviço das mesas, expressão da caridade cristã. Todo o cristão deve pôr em prática a caridade para com o próximo. O diácono faz isso por ofício e mandato”, concluiu o Prelado diocesano.

Invocando a solenidade da imaculada Conceição, D. António de Sousa Braga alertou para o facto “de uma certa mariologia, com a preocupação de engradecer Maria, pode correr o risco de a desumanizar”.

Além da ordenação dos dois novos diáconos- Pedro Aguiar, 25 anos, natural do concelho das Lajes, ilha do Pico e de Gaspar Pimentel, 22 anos, natural da Achada, concelho do Nordeste, na ilha de São Miguel- o Bispo de Angra instituiu no ministério de leitor o seminarista Pedro Lima, natural das Angústias, na ilha do Faial.

Os três foram apresentados ao prelado pelo Reitor do Seminário Episcopal de Angra, Pe Hélder Miranda Alexandre, depois da leitura do Evangelho, seguindo-se a homília e depois a instituição, logo seguida da ordenação.

A cerimónia decorreu no Santuário de Nossa Senhora da Conceição, em Angra do Heroísmo e contou com a presença de familiares e amigos dos três seminaristas, bem como praticamente todo o clero da ilha Terceira.

Seguiu-se um jantar no Seminário,  durante o qual os ordenados usaram da palavra. Pedro Aguiar, um dos dois novos diáconos falou em nome de todos, lembrando o Magnificat, esse “belo poema de amor” no qual Maria diz que a sua alma glorifica o Senhor e que Ele olhou para a humildade dos seus servos.

“Diácono é ´que serve, era o escravo que servia o seu senhor. É isso que nós somos”, disse Pedro Aguiar que fez uma série de agradecimentos, a começar pelo Bispo de Angra “pelo exemplo e testemunho”, passando pela equipa formadora do Seminário até à família.

Usaram, ainda da palavra o reitor de Seminário que leu mensagens de congratulação de várias ouvidorias-Pico, Fenais de Vera Cruz, Ponta Delgada, Povoação, Graciosa  Corvo-  e  de sacerdotes em nome individual – Vigário Episcopal de são Miguel, Pe Cipriano Pacheco, Pe Vitor Medeiros, Pe Norberto Brum, Pe Nelson Vieira e Dinis Silveira- e ainda os dois sacerdotes, párocos dos dois novos diáconos.

O Padre Agostinho Barreiros, da Achada do Nordeste congratulou-se pela ordenação de Gaspar Pimentel, confessando ter sido sempre um desejo “pessoal” ter um paroquiano sacerdote, o que “espero possa vir a acontecer no próximo ano”.

Também o Pe João Bettencourt das Neves, das Lajes do Pico, elogiou o novo diácono Pedro Aguiar a quem transmitiu um “abraço fraterno” da comunidade lajense.

A cerimónia das ordenações terminou com uma foto de família tirada no Salão do Seminário.

 

(Notícia atualizada a 9 de dezembro às 13h00)