Assistente do Secretariado Bíblico de São Miguel alerta para a necessidade de uma maior reflexão sobre a Palavra de Deus

Com a XXVI Semana Bíblica Diocesana de regresso à forma presencial, no Salão de São Miguel Arcanjo em Vila Franca do Campo, entre 23 e 26 de novembro, o assistente do Secretariado Bíblico de São Miguel, acredita que será “uma oportunidade” para “retomar” as atividades dos grupos bíblicos.

A partir das cartas de Paulo, “vamos procurar refletir sobre a sinodalidade” refere o padre Vítor Medeiros em declarações ao Igreja Açores.

“Este sentido da participação, da comunhão, da união,  expressão das primeiras comunidades” que Paulo ajudou a crescer, no tempo da Igreja primitiva, é um convite a todos os cristãos hoje para que possam responder aos desafios propostos pela Igreja diocesana e por Roma, sobre a sinodalidade,  adianta ainda o sacerdote.

O orador será o padre biblista Francisco Ruivo, da diocese de Santarém e assistente nacional da Pastoral familiar.

Para o padre Vítor Medeiros esta é, também, uma oportunidade para avivar a importância da reflexão em torno da palavra de Deus, seja de forma mais intimista, como se faz nos grupos bíblicos, seja na forma comunitária.

Embora os grupos bíblicos sejam cada vez mais em menor número, ainda existem “5 ou 6” que se reúnem com regularidade.

“Um pouco por toda a ilha sabemos que muitos ainda vão reunindo com os párocos e vão refletindo a palavra de Deus”, embora a pandemia “os tenha afastado”. Em fevereiro deste ano, como forma de mitigar a ausência de reuniões, o Secretariado Bíblico propôs reflexões na Quaresma e na Semana Santa, também a partir de São Paulo, mas o sacerdote sublinha que é importante ganhar novos ritmos.

Por isso, já estão a ser preparadas actividades para o próximo ano deste vez centradas em Pedro.

“O importante é que as pessoas continuem focadas na Bíblia” refere o sacerdote reconhecendo que é preciso fazer com que as famílias rezem mais a partir da palavra de Deus.

“A Bíblia não é um livro para embelezar uma estante; é para ser lido e refletido em família” refere o padre Vítor Medeiros lamentando que isso seja “cada vez mais raro”, embora na catequese esta afirmação seja repetida à exaustão.

Sobre o envelhecimento dos grupos bíblicos, sobretudo em São Miguel onde são mais expressivos, embora também existam no Faial, no Pico ou nas Flores, o sacerdote diz que “têm de ser encontradas estratégias próprias” para “cativar os jovens”.

“É uma preocupação que está presente nos professores de Educação Moral e Religiosa mas também dos próprios catequistas” sobretudo no quarto ano, ano em que a Bíblia está muito presente.

Criar grupos bíblicos com jovens “seria muito interessante” mas “teríamos de encontrar estratégias diferentes” reconhece o sacerdote ao lembrar que “já é tão difícil nalguns lugares conseguir a mobilização dos jovens quanto mais despertar-lhes o interesse para a reflexão bíblica” conclui.

A XXVI Semana Bíblica é aberta ao público em geral. É obrigatório o uso de máscara , a higienização das mãos e a medição da temperatura à entrada do Salão paroquial, em Vila Franca do Campo.