Pelo Pe José Júlio Rocha.

«A minha alma glorifica o Senhor
e o meu espírito se alegra em Deus, meu Salvador,
porque pôs os olhos na humildade da sua serva:
de hoje em diante me chamarão bem-aventurada todas as gerações.» (Lucas 1, 46-48)
Aqui há uns anos, a conceituada revista “National Geographic” considerou Maria, a menina de Nazaré, a mulher mais poderosa da história.
Que poder? Político? Económico? Militar? Social? Nada disso: apenas o poder do Amor. Maria foi a mulher que mais influenciou a história da humanidade.
Com Ela começou a maior revolução humana. Basta lermos o “Magnificat”, o Hino de Nossa Senhora.