Pelo Pe José Júlio Rocha.

«Se meu irmão me ofender, quantas vezes deverei perdoar-lhe? Até sete vezes?». Jesus respondeu: «Não te digo até sete vezes, mas até setenta vezes sete.» (Mateus 18, 21-22)
Há um ditado que Diz: “perdoa uma vez, és bom; perdoa duas vezes, és santo; perdoa três vezes, é estúpido.”
Jesus não faz essas contas e promove uma profunda revolução nas relações entre os homens.
A essência do perdão está num coração livre, ou que se libertou de um peso.
Perdoemo-nos também. Para perdoar alguém é preciso, primeiro, perdoar-se a si próprio.