Pelo P.e José Júlio Rocha.

«Não são os que têm saúde que precisam do médico, mas os que estão doentes. Eu não vim chamar os justos, mas os pecadores». (Mateus 2, 17)
Eis o Jesus que incomoda. Aquele que tanto convive com fariseus e escribas como com prostitutas e pecadores. É claro que os “puros” e “santos” se escandalizavam, como o fariam hoje. Mas esta frase de Jesus diz tudo. É a mesma história do Filho Pródigo que, antes de pedir perdão, já era abraçado pelo pai.
Um cristão que faz aceção de pessoas, que semeia divisão, não é digno do nome de Cristo.