“Situação de muitas famílias afetadas pela crise social que se vive no país exige um esforço coletivo”, referem instituições

Os 21 Bancos Alimentares contra a Fome promovem, entre hoje e 6 de junho, uma nova campanha nacional de recolha de alimentos, pedindo a participação dos portugueses através da ‘Ajuda Vale’, nas caixas dos supermercados, e no site “alimentestaideia”.

“A situação de muitas famílias afetadas pela crise social que se vive no país exige um esforço coletivo e os Bancos Alimentares contam não só com a contribuição, mas também com a mobilização dos portugueses”, lê-se numa nota enviada à Agência Ecclesia.

As medidas de segurança sanitária decorrentes da pandemia ainda impedem a realização da tradicional campanha de recolha de alimentos com voluntários.

“Infelizmente, há agora milhares de famílias que contam com as nossas campanhas para conseguirem pôr comida na mesa, por isso, mais do que nunca, a ajuda não pode parar”, alerta Isabel Jonet, presidente da Federação Portuguesa dos Bancos Alimentares Contra a Fome.

Com o mote ‘À nossa mesa há sempre lugar para mais um’, a campanha do Banco Alimentar procura sensibilizar a população no apoio a famílias que vivem situações de carência alimentar todos os dias.

“Estas situações foram agravadas pelo Covid19, que colocou na pobreza famílias que tinham as suas vidas organizadas, reforçando a importância do contributo e envolvimento de cada um”, lê-se.

A participação pode ser feita através da modalidade ‘Ajuda Vale’, utilizada em campanhas anteriores, que assenta na contribuição através de vales de produtos disponíveis até 31 de maio, nas caixas dos supermercados.

Para quem não possa deslocar-se aos supermercados ou resida fora de Portugal, o Banco Alimentar disponibiliza o portal de doação online alimentestaideia.pt, onde se podem escolher bens perecíveis para doar.

De acordo com os dados da Federação Portuguesa dos Bancos Alimentares Contra a Fome, no ano passado, os 21 Bancos Alimentares em atividade em Portugal distribuíram 29 474 toneladas de alimentos (com o valor estimado de 41,2 milhões de euros), num movimento médio de 165 toneladas por dia útil.

O Banco Alimentar foi criado em Portugal, em 1991, com a missão de lutar contra o desperdício e distribuir apoio a quem mais precisa, em parceria com instituições de solidariedade e com base no trabalho voluntário.

Existem atualmente 21 Bancos Alimentares, nas zonas de Abrantes, Algarve, Aveiro, Beja, Braga, Castelo Branco, Coimbra, Cova da Beira, Évora, Leiria-Fátima, Lisboa, Madeira, Zona Oeste, Portalegre, Porto, S. Miguel, Santarém, Setúbal, Agra (que inclui os Bancos Alimentares da Terceira e São Miguel) Viana do Castelo e Viseu.

(Com Ecclesia)