D. João Lavrador escreve Nota Pastoral para a abertura do novo ano, que se inicia a 17 de outubro com uma celebração na Sé

O bispo de Angra na Nota Pastoral que acaba de publicar, no contexto da abertura de um novo ano pastoral- o terceiro da caminhada sinodal diocesana- exorta os cristãos açorianos a serem criativos na forma de evangelizar deixando um repto particular “aos sacerdotes, às famílias e aos jovens”.

Ao lembrar que o novo ano pastoral arranca ainda em contexto de pandemia, D. João Lavrador afirma que esta realidade “interpela na criatividade pastoral” e a procurar “as fontes da verdadeira sabedoria” para responder “aos novos tempos”.

“É neste contexto concreto que cada cristão e cada comunidade cristã são chamados a ser evangelizadores, isto é, a viver e a testemunhar a Jesus Cristo como a boa notícia para os homens e mulheres do nosso tempo”, afirma ao sublinhar que se trata de uma tarefa que exige “esforço e imaginação”.

“Vamos necessitar de dedicar esforço e imaginação para reerguer as nossas comunidades cristãs, para colocar a funcionar os órgãos de participação, comunhão e corresponsabilidade, para valorizarmos as diversas actividades pastorais que se integram na vida paroquial”. O prelado pede aos cristãos “sentido de responsabilidade” em alternativa ao medo que se instalou com a pandemia.

“Abrem-se na comunidade diocesana desafios pastorais impares a exigir a atenção e o compromisso de todos nós” refere o prelado, elencando três grandes desafios: a caminhada sinodal diocesana que se articula agora com a caminhada sinodal proposta a toda a igreja pelo Papa Francisco; a mobilização dos jovens através de uma participação nas actividades preparatórias da Jornada Mundial da Juventude de Lisboa, em 2023 e o uma maior atenção aos mais frágeis. Para isso, desafia em primeiro lugar sacerdotes, a quem exige “um renovado esforço de liderança, de mobilização, de comunhão e de consciencialização sobre os desafios da Igreja”; movimentos de apostolado a quem pede um contributo efetivo para a comunhão eclesial; famílias, para que sejam “testemunhas do amor de Deus” e leigos em geral.

“A vitalidade e a renovação das comunidades passará pela participação de todos na missão evangelizadora no contexto do mundo em que vivem”, salienta.

“As diversas áreas da presença dos leigos na cultura, na sociedade, no trabalho ou nos locais onde se decide a vida das pessoas, necessitam da presença evangelizadora dos leigos” afirma na nota pastoral.

O novo ano pastoral começa oficialmente a 17 de outubro com uma celebração presidida por D. João Lavrador na Sé de Angra e o prelado pede que “se faça eco desta mesma celebração nas eucaristias” em cada uma das 165 paróquias que compõem a diocese de Angra.

“Deve rezar-se pelo bom andamento do novo pastoral e deve informar-se dos temas e das acções que irão constar da caminhada diocesana ao longo do ano” refere D. João Lavrador.