O apelo foi deixado pelo ouvidor da Terceira no 21º plenário do clero que decorreu esta quarta feira em Angra

O ouvidor eclesiástico da ilha Terceira insistiu esta quarta feira na necessidade dos Conselhos Pastorais das cinco zonas pastorais de Angra- Cidade, periferia, oeste, leste e Ramo Grande- funcionarem de forma “mais regular” de modo a que o próprio Conselho Pastoral de Ouvidoria “funcione melhor”.

A questão surgiu durante a reunião plenária do clero da ouvidoria da Ilha Terceira que decorreu em Angra do Heroísmo e foi acompanhada pelo Bispo de Angra que presidiu à oração inicial dos trabalhos e esteve até ao fim do encontro, participando com uma breve intervenção.

O clero da ilha Terceira procedeu a uma avaliação do ano pastoral, nomeadamente ao nível de cada uma das zonas que teve como prioridade o debate em torno da Exortação Apostólica do Papa Francisco, a Alegria do Evangelho e traçou “rotas” para o próximo ano pastoral. Entre elas estão particularmente dois assuntos “a família e a misericórdia”, disse ao Sítio Igreja Açores o ouvidor, Pe António Henrique Pereira.

“Temos grandes expetativas em relação à Assembleia Plenária do Sínodo sobre a família porque esperamos que ela traga algumas orientações de pastoral e por isso achamos que a nossa ação pastoral no próximo ano poderá ser condicionada por essas orientações”, disse o sacerdote.

Outro dos assuntos será a presença da imagem peregrina de Nossa Senhora na ilha Terceira, a partir de março, altura em que chega à Diocese de Angra.

“Gostaríamos que a imagem percorresse pelo menos quatros zonas pastorais e vamos propor isso aos organizadores, faltando-nos para já a indicação da igreja que receberá a Imagem em cada uma das zonas”, precisou o ouvidor.

Entre as sugestões do clero da Terceira há, ainda, um pedido de adiamento da reunião do Conselho Pastoral Diocesano, agendada para novembro próximo, no fim de semana do Bom Pastor.

“Julgamos que o facto de vivermos um período de transição faria mais sentido adiar o Conselho para mais tarde porque as posições que vier a tomar serão decisivas para o futuro e, por isso, condicioná-lo agora que estamos expetantes em relação à vinda de um bispo coadjutor, não nos parece bem”, sublinhou o Pe António Henrique Pereira.

Nesta reunião, que decorreu no Seminário Episcopal de Angra,  participou mais de metade do clero Terceirense.