Irmã Margarida Borges, da Congregação das Religiosas de Maria Imaculada, destaca qualidades pastorais e espirituais de Monsenhor Agostinho Tavares

O Monsenhor Agostinho Tavares “foi um homem que cumpriu na íntegra o mandamento do Amor”, disse ao Sítio Igreja Açores a irmã Margarida Borges, religiosa de Maria Imaculada, a congregação que desde sempre esteve no Convento da Esperança dando apoio ao Santuário do Senhor Santo Cristo dos Milagres.

O ex Reitor do Santuário do Senhor Santo Cristo dos Milagres faleceu esta quarta feira de madrugada em casa, em Ponta Delgada, aos 85 anos.

“Como homem da Igreja e de Deus, soube sempre interpretar o mandamento do Amor como poucos, olhando igualmente para o mais pobre e o mais rico, preocupando-se com as pessoas. Ele `transportava´ consigo o Espírito Santo e transmitia-O em todas as suas ações”, recorda a religiosa que trabalhou diretamente com ele durante seis anos, ós últimos em que esteve à frente do Santuário como Reitor.

“É um momento difícil, embora saiba que ele está junto de Deus e estará bem”, disse a Irmã Margarida lembrando que o ex Reitor do Santuário era um homem “alegre” que “dava vida às eucaristias”; um “homem de grande relação com os outros” que “serviu a Igreja açoriana nos Açores e na diáspora”, onde mantinha “laços de grande proximidade” quer na resposta às inúmeras missivas que chegavam do outro lado do Atlântico ao Santuário quer no acolhimento aos peregrinos “que fazia como ninguém”.

“Julgo que foi uma vida que valeu a pena, sempre ao serviço, constituindo uma referência espiritual e humana para todos nós”, destacou ainda a religiosa que é principal guardiã da imagem do Senhor Santo Cristo dos Milagres.

Monsenhor Agostinho Tavares tinha 85 anos de idade e 62 de sacerdócio. Foi durante quase duas décadas reitor do Santuário do Senhor Santo Cristo, de onde saiu em 2012 depois de ter sido vítima de um acidente vascular cerebral.

Faleceu esta quarta feira de madrugada, em casa, onde residia. O seu corpo será velado na Igreja do Senhor Santo Cristo, mal estejam reunidas todas as condições. As exéquias fúnebres serão presididas pelo Vigário Episcopal para a ilha de São Miguel, Pe Cipriano Pacheco.