Diretor Regional das Comunidades participou no VI Congresso Internacional sobre as Festas do Divino Espirito Santo, que terminou ontem no Canadá.

O Diretor Regional das Comunidades destacou, em Winnipeg, no Canadá, o papel dos investigadores, estudiosos e representantes das irmandades do Divino Espírito Santo na preservação e divulgação das Festas do Divino Espírito Santo nos Açores e nos territórios onde residem comunidades açorianas.

 

De acordo com uma nota do Gabinete de Apoio à Comunicação Social do Governo açoriano, Paulo Teves, enalteceu o contributo das comunidades emigradas para a afirmação dos Açores no mundo através da dinamização e perpetuação das manifestações deste culto, considerando que essas comunidades se constituíram em verdadeiros agentes disseminadores do património cultural que encorpa e define a identidade arquipelágica.

 

 

“Esta vetusta tradição ultrapassou fronteiras com o fenómeno emigratório açoriano. Há quem defenda que se trata da mais significativa ponte de comunicação entre açorianos e da maior transnacionalização cultural efetuada em todos os tempos”, frisou o Diretor Regional.

 

Nesse sentido, salientou que “o Roteiro das Festas do Divino Espírito Santo Açores/Comunidades, que o Governo dos Açores está a construir, teve em consideração que esta manifestação, para além do fator religioso que lhe é inerente, é parte integrante da identidade açoriana e é transversal a diversas áreas sociais”.

 

“Este Roteiro mapeará as diversas Festas do Divino Espírito Santo, nos Açores e nas comunidades açorianas da diáspora, não apenas para dar a conhecer a existência e a manutenção desta secular tradição, vivenciada por milhares de açorianos, mas também para promover e divulgar, em especial junto das gerações vindouras e das sociedades onde estão integradas, este pilar identitário dos seus antepassados”, afirmou Paulo Teves.

 

O Diretor Regional das Comunidades referiu, ainda, que não existe uma forma única de viver e vivenciar esta manifestação na diáspora, uma vez que cada uma “espelha a especificidade da terra natal, tentando ser genuíno e fiel à forma como se comemorava antes do processo emigratório”.

 

O VI Congresso Internacional sobre as Festas do Divino Espírito Santo decorreu desde quarta feira, encerrando ontem com a realização das Festas do Divino Espírito Santo da Casa dos Açores do Winnipeg, entidade parceira neste encontro, que incluem bodo de leite, missa de coroação, procissão e as tradicionais sopas.

 

O Vigário Geral da Diocese de Angra foi um dos oradores convidados.

 

O Pe Hélder Fonseca Mendes sublinhou que a “ persistência e resistência do Império” do Divino Espírito Santo na vida, na Igreja e na sociedade é um desafio que qualquer cristão não pode perder de vista.

 

O sacerdote traçou, em termos gerais, os aspetos que identificam este culto, destacando a sua história a partir das raízes e a sua difusão nos Açores.

 

Hélder Fonseca Mendes sublinhou que “os açorianos são verdadeiros  missionários do Espirito no mundo” e explicou as razões que levam a que as Festas do Divino Espírito Santo nos Açores sejam tão importantes no contexto da religiosidade popular insular.

 

O Vigário Geral da Diocese de Angra falou, ainda, da expansão deste culto na diáspora, lembrando que se trata de “uma viagem com retorno e proveito para os açorianos nas ilhas”.

 

Nesta iniciativa, que decorreu pela primeira vez no Canadá, participaram estudiosos, investigadores e representantes de irmandades dos Açores, Portugal Continental, Canadá, Brasil e Estados Unidos da América.