Serão dois dias de diálogo entre a Teologia e a Arte

As III Jornadas de Teologia dos Açores, promovidas pelo Seminário Episcopal de Angra entre 20 e 22 de março, vão refletir sobre o diálogo entre a Arte e a Teologia, através de um conjunto de intervenções que sublinhará o diálogo entre a cultura, a religião e a fé

Subordinadas ao tema “Arte, expressão que transcende”, estas jornadas partem da premissa de que a ” História da arte cristã mostra uma alternância de tendências que poderíamos chamar de imanência e transcendência, uma oscilação entre o gosto pela imagem e a preferência pelo sinal simbólico”, sublinha uma nota enviada pelo Reitor do Seminário, Pe. Hélder Miranda Alexandre.

Neste sentido, “uma das excelências do Cristianismo é a sua capacidade para abrir canais de expressão a essas duas fundamentais potencialidades do ser humano: a sensibilidade e o espírito”, prossegue a nota.

“A arte assume-se sempre como algo de irrepetível e como tal, muitas vezes, também apela, através do sublime, à transcendência e ao divino, mesmo quando nos coloca perante expressões mais estranhas” referiu, por outro lado, o sacerdote numa entrevista ao Igreja Açores.

“É, este diálogo entre a arte e a fé que não podemos perder de vista e por isso decidimos que o tema da Jornada deste ano seria este” explicou ainda o Pe. Hélder Miranda Alexandre destacando, por outro lado, que a “arte é uma janela de oportunidades para o anúncio da fé cristã”.

As jornadas, que têm entrada livre, no Salão do Seminário, começam sempre às 20h00 e abrem, no dia 20 com a apresentação do Volume II da Revista Fórum Teológico XXI, seguindo-se depois uma intervenção do Bispo de Angra, D. João Lavrador, que na qualidade de presidente da Comissão Episcopal da Cultura e Bens Culturais, falará sobre a temática. Segue-se, ainda no primeiro dia a intervenção de Joaquim Félix, sobre “Desafios contemporâneos à arte litúrgica”.

Neste primeiro dia haverá ainda a abertura de uma exposição sobre arte litúrgica que estará patente ao publico durante as jornadas e que tem como comissária Marta Bretão, Conservadora e professora no Seminário Episcopal de Angra.

No dia 21, o Pe. Cipriano Pacheco falará sobre “ A estética e mística em São Tomás de Aquino”, seguindo-.se a intervenção de Alexandre Palma, professor na Universidade Católica, sobre “Estética e Teologia. Contexto, fundamentos e desafios”.

No dia 22 de Março, Sandra Costa Saldanha, diretora do Secretariado Nacional dos Bens Culturais falará sobre “Sanctarum Imaginum’, entre o Homem e o Divino: reflexões sobre algumas diretrizes pastorais na Idade Moderna. Segue-se a conferência de Rui Vieira Nery “Temporalidade e Transcendência na Música Sacra: A Difícil Mediação”.

As jornadas encerram com um momento musical com a Academia de São Tomás de Aquino.