Todos os meses, uma estrutura de acrílico destaca uma peça em exposição. Além da beleza da peça pretende-se também chamar a atenção para a necessidade de conservação da arte Sacra

Não será o caso da peça exposta- o Livro de Baldaquino- durante o mês de agosto, mas no próximo mês de setembro a imagem de Nossa Senhora das Dores será a escolhida para a “Peça do Mês” para alertar para a necessidade de a Igreja apostar no restauro e conservação do seu património móvel.

Destacar a beleza de uma peça ou a necessidade do seu restauro é a dupla função da iniciativa do Museu de Arte Sacra da Horta que, todos os meses, decidiu destacar uma peça em exposição, que se encontra numa das salas da instituição.

“Esta questão pedagógica é muito importante” refere ao Igreja Açores o diretor do Museu de Arte Sacra da Horta, padre Marco Luciano Carvalho.

A opção de destacar todos os meses uma peça, e que “está a ser seguida por outros museus”, prende-se com a necessidade de valorizar os entes musealizados e a seleção é feita muitas vezes atendendo ao calendário litúrgico ou a algum evento que tenha ligação com os objetos expostos.

“Em setembro assinala-se o mês de Nossa Senhora das Dores; como temos uma belíssima imagem do século XVIII vamos destacá-la. Ela precisa de ser restaurada e assim também chamamos a atenção para esta necessidade. Há aqui uma função pedagógica” refere o sacerdote que tem mantido uma luta constante na valorização do património da Igreja no Faial.

“Precisamos de ter um conservador no Museu” referiu pois há muito património que precisa deste cuidado, acrescenta, ainda.

A “Peça do Mês” de agosto é um “Livro Baldaquino”, uma estrutura de armar de pequenas dimensões e em forma de livro. Contém uma base, painel superior e sobrecéu para enquadrar o Ostensório ou a Píxide durante a exposição do Santíssimo Sacramento ou a distribuição da Sagrada Comunhão em casa dos doentes. Ao fechar toma a forma de livro, descreve a nota que acompanha a peça.

“Tudo isto é feito pela pequena equipa do Museu que procura trabalhar do ponto de vista gráfico as imagens das peças a destacar e temos tido muitos pedidos de fotografias”, refere por outro lado.

Esta peça do mês é, também, uma forma de ir comunicando o Museu nas redes sociais, Facebook ou Instagram.

“Temos uma média de 100 visitas pagas por mês o que é significativo para este projecto”, adianta o padre Marco Luciano Carvalho.

“A peça destacada é alusiva à Eucaristia e nela está retratada toda a Paixão de Cristo”, diz. Entre as peças do mês já estiveram uma “Custódia” e a “Imagem primitiva de Nossa Senhora do Carmo”.

O Museu de Arte Sacra da Horta foi inaugurado a 29 de maio deste ano e tem exposições sobre o ‘Barroco na ilha do Faial’, ‘Maria na Arte’, ‘Os Santos da Penitência da ordem Terceira Franciscana’ e a ‘Coleção do Triunfo do Século XVIII da Igreja do Carmo’.

Trata-se de um espaço “de diálogo” entre a história e o presente, tem na sua reserva mais de mil peças e vai juntar o património da Ordem Terceira do Carmo, Ordem Terceira de São Francisco e outras peças diocesanas e da ilha do Pico.