Casal responsável pelas ENS nos Açores é convidado do IA

Lucelinda e José Olívio Mendes, da ilha Terceira, são desde o final do ano passado o casal responsável pelo Movimento das Equipas de Nossa Senhora na diocese de Angra, fazendo a ligação dos dois sectores das Equipas- Açores Centro (Terceira) e Açores Oriental (São Miguel)- com a supra região Portugal.

O Casal, que tem como conselheiro espiritual o Padre Gregório Rocha, é o convidado do programa de Rádio Igreja Açores que vai para o ar este domingo, depois do meio dia, no Rádio Clube de Angra e na Antena 1 Açores.

Na conversa conduzida pela Tatiana Ourique, o casal aborda questões relacionadas com os desafios do movimento nos próximos quatro anos- “entre as prioridades está a possibilidade de levarmos este movimento até outras ilhas, nomeadamente Pico e Faial onde já existiu”- e como procurará fazer a coordenação entre as várias equipas e casais de ligação de forma a garantir “uma melhor comunicação entre todos”.

“Como vamos fazer é o que havemos de descobrir” diz José Olivio com a sinceridade própria de quem tem vontade mas sabe, que na prática e no terreno, nem sempre tudo corre como planeado quanto mais desejado.

Estão no movimento há 15 anos- “se calhar gostaríamos de ter entrado antes mas a vida levou-nos a arranjar sempre desculpas para adiarmos”, reconhece Lucelinda- mas garantem que esta `metodologia`da espiritualidade conjugal os ajudou a manter acesa “a chama”.

“O namoro é um compromisso no matrimónio”, afirmam.

“Continuamos com a vela acesa e isso é bom” refere José Olivio, que no passado fim de semana também participou no retiro das Equipas, que decorreu no Seminário Episcopal de Angra juntando 75 casais equipistas e mais dois convidados.

“Este é o nosso grande objectivo: conseguirmos transmitir aos outros como o movimento é bom para o nosso matrimónio” referem ainda como que em jeito de desafio.

“Nós temos de nos comprometer e levar a cabo dentro das nossas possibilidades e disponibilidades as regras da vivência desta espiritualidade conjugal, o que nem sempre é fácil”, reconhecem.

Entre as regras, que no movimento se chamam `pontos concretos de esforço´, estão a escuta da palavra de Deus, a oração individual e conjugal e ainda o dever de se sentar, isto é, de percorrer as atitudes e os comportamentos de cada um e do próprio casal e avaliar o que correu bem e o que correu menos bem de forma a corrigir.

“Nem sempre é fácil mas é muito importante que façamos esta analise para crescermos enquanto casal” referem.

Com três filhas, já adultas, lembram que a saída dos filhos pode ser um momento critico para os casais.

“No nosso caso não foi, felizmente, porque sentimos que continuamos a fazer parte das suas vidas apesar de serem autónomas mas, de facto, para muitos casais a re-aprendizagem da vida em casal pode ser difícil”, dizem ainda.

“Tem de haver objetivos bem definidos, e se essas coisas estão bem resolvidas então tudo se torna mais fácil” dizem ainda.

A entrevista com o casal responsável pela região Açores do Movimento das Equipas de Nossa Senhora, será exibida este domingo, depois do meio dia no Rádio Clube de Angra e na Antena 1 Açores.