Pedro Carvalho, sacerdote da Diocese de Angra, partilhou com a Agência ECCLESIA a alegria da sua ordenação, em tempo de pandemia, e aponta a “prudência” como a palavra chave para o novo ano.

“Na reunião de conselho pastoral delineámos objetivos para este ano mas acho que vai ficar marcado pela prudência, antes prevenir do que remediar, nós não temos casos de Covid aqui na ilha, todas as atividades são de acordo com as regras, por isso a prudência”, conta.

O jovem sacerdote de 25 anos, na ilha do Pico desde setembro, espera que este ano de 2021 seja também de “aprofundamento” para conhecer as pessoas e as realidades das suas duas paróquias, São João e São Caetano, e uma comunidade, Santa Margarida da Escócia.

“Não vim para mudar o que há mas perceber e conhecer o que há e o que se vive nestas paróquias, e ajudar na religiosidade popular que vivem, estreitar relações e vínculos com todas as pessoas”, precisa.

Pedro Carvalho assume que “o futuro é incerto” mas que vive este tempo de incerteza assente na esperança e por isso defende “ter de haver muita prudência”.

Natural da ilha de São Miguel, o jovem estudou no seminário de Angra, na ilha Terceira, e desde setembro que “saltou” para a ilha do Pico para ali assumir três comunidades.

“É um ‘correr ilhas’ mas estou a gostar muito, recebi a notícia com alegria, a nível pessoal temos expetativas principalmente aqui perante esta realidade arquipelágica e vemos para onde podemos ir mas, já conhecia a ilha do Pico mas não a realidade pastoral”, recorda.

O sacerdote aposta agora em conhecer toda esta realidade, considera as pessoas do Pico “um pouco diferentes mas simpáticas e acolhedoras”, fazendo-o sentir grande amor e amizade, “como família”.

“O amor que recebi e a amizade comparo com o que tenho com a minha família, é difícil de explicar isto, é difícil traduzir por palavras, além disso também o clero do Pico é muito unido, foram e são uns pais para mim”, assume.

O jovem tinha a data de ordenação marcada para junho de 2020 tendo sido depois adiada, devido às limitações imposta pela pandemia, para dia 06 de setembro, quando se concretizou, depois de um “prolongamento do tempo de diaconado” que se mostrou “profícuo” para o jovem que destaca que este tempo vem “lembrar que é bom não ter a vida demasiado programada”.

Atualmente numa “ilha mais envelhecida” e poucos meses depois de chegar, o padre Pedro Carvalho já conseguiu formar um grupo de jovens.

“Quando vim para cá não havia grupos de jovens mas eu já consegui formar um, com jovens até ao 12º ano, porque os mais velhos têm oportunidade de ir para a universidade, saem da ilha e são poucos os que regressam”, aponta.

A conversa com Pedro Carvalho integra na iniciativa da Agência ECCLESIA que, no início do novo ano, tem escutado os jovens com os seus propósitos e objetivos para 2021.

‘Novas conversas na Ecclesia’ é uma rubrica que pode acompanhar de segunda a sexta-feira, no sítio online da Agência ECCLESIA e na sua página na rede social Facebook.

(Com Ecclesia)