A decisão de cancelar as celebrações nestas duas ouvidorias foi sugerida a toda a ilha de São Miguel

Os fieis das ouvidorias do Nordeste e de Vila Franca do Campo estão neste momento impossibilitados de participar nas celebrações religiosas que estão suspensas por tempo indeterminado.

A decisão foi tomada pelo Vigário Episcopal da Vigararia Nascente no contexto de um novo pico de pandemia que a maior ilha do arquipélago açoriano atravessa.

Nas últimas 24 horas foram diagnosticados 40 novos casos de covid-19 nos Açores, todos em São Miguel, decorrentes de 1.852 análises realizadas em laboratórios de referência da Região e uma em laboratório privado não convencionado.

Em São Miguel, um dos casos diagnosticados é referente a um viajante, não residente, com análise positiva ao sexto dia, e os restantes casos são em contexto de transmissão comunitária. Por concelhos, há um novo caso na Lagoa (Cabouco), um no concelho do Nordeste (Lomba da Fazenda), seis no concelho de Ponta Delgada (três em São Sebastião, dois em São José e um nos Mosteiros), cinco no concelho da Ribeira Grande (um na Ribeira Seca, um na Ribeirinha, dois em Santa Bárbara e um em Rabo de Peixe) e 27 no concelho de Vila Franca do Campo (quatro em Água de Alto, cinco em Ponta Garça, um na Ribeira Seca, 10 em São Miguel e sete em São Pedro).

No decurso da investigação epidemiológica, foi verificado que um caso positivo, inicialmente alocado ao concelho da Lagoa – freguesia da Ribeira Chã -, se encontra a residir no Concelho de Vila Franca do Campo, na freguesia de Ponta Garça, tendo sido agora alocado a esta freguesia.

No mesmo período não foi registada qualquer recuperação.

Permanecem 10 doentes internados, todos no Hospital do Divino Espírito Santo, em Ponta Delgada, sendo que agora estão quatro em Unidade de Cuidados Intensivos.

O cónego Adriano Borges escreveu a todos os sacerdotes na passada sexta -feira e sugeriu mesmo que esta decisão de suspender sine die as celebrações no Nordeste e em Vila Franca deveria aplicar-se a todas as igrejas da ilha.

“Na qualidade de Vigário Episcopal é do meu entender que devemos suspender todas as celebrações na nossa Ilha, com início já neste fim-de-semana e até novas orientações” pode ler-se na carta.

O sacerdote lembra que as “notícias e relatos dos últimos dias são verdadeiramente preocupantes” no que se refere ao aumento do número de casos e à sua transmissibilidade e, por isso, “seria de uma enorme irresponsabilidade que as paróquias da nossa Ilha de S. Miguel, continuassem a promover `eventos´ que implicam ajuntamentos”, referindo-se  “à celebração das Eucaristias semanais e Dominicais, bem como das demais Celebrações”.

“A nova estirpe ataca de uma forma avassaladora e todos devemos ter os máximos cuidados e de sermos responsáveis”, afirma o sacerdote na carta que escreveu ao clero da ilha procurando, uma vez mais, que a Igreja esteja na primeira linha do combate à pandemia, que pela segunda vez consecutiva atingiu fortemente a maior ilha do arquipélago.

Recorde-se que a ouvidoria de Vila Franca do Campo é, porventura, a mais atingida por esta pandemia dado que os fieis já estiveram privados de celebrações imediatamente após o Natal, depois do surto existente em Ponta Garça, que levou ao levantamento de uma cerca sanitária,  mas que levou o clero da ouvidoria a suspender várias celebrações como medida preventiva.

No Nordeste, e logo na primeira vaga, surgiram as primeiras mortes por covid-19 num lar de idosos nos Açores.

É a primeira vez que nos Açores os fieis ficam privados de participar nas celebrações eucarísticas desde o inicio do primeiro confinamento entre os dias 16 de março e maio de 2020, quando toda a Igreja decidiu suspender as celebrações com a presença de assembleia.

A Região regista presentemente 304 casos positivos ativos, sendo 303 em São Miguel (81 no concelho de Ponta Delgada, 132 em Vila Franca do Campo, 46 no concelho do Nordeste, 28 na Ribeira Grande, 12 no concelho da Lagoa, e quatro no concelho da Povoação) e um na ilha Terceira, na freguesia de Nossa Senhora da Conceição, do concelho de Angra do Heroísmo.  O número de vigilâncias ativas é presentemente de 1.177.

Em São Miguel estão em nível de Médio Risco os concelhos da Lagoa, Povoação, Ponta Delgada e Ribeira Grande e em Alto Risco estão os concelhos de Nordeste e Vila Franca do Campo. Todos os concelhos das restantes ilhas do arquipélago apresentam níveis de Muito Baixo Risco.