Novo dicastério da Cúria Romana terá como prefeito o bispo americano D. Kevin Farrell e inicia funções a 01 de setembro

O Papa Francisco instituiu hoje um novo organismo da Santa Sé para os leigos, a família e a vida, em substituição dos antigos conselhos pontifícios que tratavam separadamente dessas áreas pastorais.

“A Igreja tem procurado sempre cuidar dos leigos, das famílias e da vida, manifestando o amor de Deus misericordioso por toda a humanidade. Em particular, as nossas atenções estão centradas naqueles que precisam de suporte e de ajuda, para que sejam testemunhas ativas do Evangelho no nosso tempo e expressão da bondade do Redentor”, pode ler-se na carta apostólica que determina a mudança.

O novo dicastério da Cúria Romana, que inicia funções a partir do dia 01 de setembro, vai ser presidido por D. Kevin Farrell, atual bispo de Dallas, nos Estados Unidos da América.

A criação deste novo organismo tinha sido anunciada pelo Papa argentino em outubro de 2015, durante o último Sínodo dos Bispos em Roma, que foi dedicado à temática da Família.

Já em junho deste ano, Francisco aprovou os estatutos desta estrutura, que será “competente nos assuntos que são pertinentes à Sé Apostólica para a promoção da vida e do apostolado dos leigos, para a pastoral da família e da sua missão, de acordo com o plano de Deus e para a proteção e apoio da vida humana”.

Segundo o articulado deste mais recente dicastério, além de um prefeito (o já referido D. Kevin Farrell) a sua estrutura incluirá também um secretário que poderá ser leigo, e mais três subsecretários leigos.

Será ainda escolhido um número apropriado de oficiais, clérigos e leigos provenientes, dentro do possível, de várias regiões do mundo “de modo a que reflita a natureza universal da Igreja”, segundo as normas da Cúria Romana, homens e mulheres, solteiros e casados, envolvidos em vários domínios de atividades.

A secção dedicada aos “Leigos” deverá “animar e incentivar a promoção da vocação e missão dos leigos na Igreja e no mundo” promovendo nos fiéis leigos a consciência de corresponsabilidade para “a vida e missão da Igreja” recebido no Batismo.

Quanto à área da “Família”, ela será chamada a discernir os “sinais dos tempos” para melhorar as oportunidades para a família “lidar com confiança e sabedoria do Evangelho aos desafios” da sociedade atual.

Vai oferecer, por exemplo, diretrizes para programas pastorais para as famílias na educação dos jovens na fé, na Igreja e na sociedade, “especialmente atentos aos pobres e marginalizados” e “promove a abertura” das famílias à “adoção, guarda de menores e o cuidado dos idosos”.

No que diz respeito ao setor da “Vida”, os estatutos assinalam que a partir da doutrina moral católica e do Magistério dos estudos da Igreja, deverá ser promovida “a educação sobre os principais problemas de biomedicina”, e da legislação relativa à vida humana.