O Papa deixou hoje no Vaticano uma mensagem especial de agradecimento a idosos e doentes, convidando a prolongar alegria da Páscoa.

“O meu pensamento vai de forma especial para os idosos, doentes, ligados das próprias casas ou instituições de repouso e saúde. Envio-lhes uma palavra de agradecimento e reconhecimento pelo seu testemunho. Estou próximo deles”, disse, no final da recitação da oração do ‘Regina Caeli’, transmitida desde a biblioteca do Palácio Apostólico.

Na segunda-feira depois da Páscoa, chamada “segunda-feira do anjo”, Francisco destacou a que “todos os planos e defesas dos inimigos e perseguidores de Jesus foram em vão”.

“Das palavras do anjo podemos recolher um ensinamento precioso: não nos cansemos nunca de procurar Cristo ressuscitado, que dá vida em abundância a quem o encontra. Encontrar Cristo significa descobrir a paz no coração”, declarou.

O Papa convidou os católicos a repetir “o Senhor vive”.

“Cristo está vivo, acompanha a minha vida. Cristo está ao meu lado”, apontou.

“Neste tempo pascal, desejo que todos tenham a mesma experiência espiritual, acolhendo nos corações, nos lares e nas famílias as boas novas da Páscoa: ‘Cristo ressuscitado já não morre, a morte já não tem poder sobre ele’”, disse.

Francisco falou da reação dos guardas que tinham ficado a vigiar o túmulo de Jesus e não “conseguem enfrentar a força avassaladora de Deus”, sendo “convencidos” com dinheiro a “vender a verdade”.

“O senhor dinheiro, mesmo aqui, na ressurreição de Cristo, é capaz de ter o poder de a negar”, advertiu.

No final da oração, o Papa desejou que todos passem com fé estes dias da oitava da Páscoa, “nos quais se prolonga a memória da ressurreição de Cristo”.

“Acolhei cada ocasião para serdes testemunhas da alegria e da paz do Senhor Ressuscitado. Boa, serena e santa Páscoa a todos”, concluiu.

(Com Ecclesia)