Francisco celebrou Missa com «pequeno rebanho» dos católicos em Tbilisi

O Papa presidiu hoje à única Missa que vai celebrar durante a sua viagem à Geórgia, na capital do país, e elogiou o papel das mulheres na transmissão da fé cristã, ao longo dos séculos.

“Aqui, na Geórgia, há muitas avós e mães que continuam a guardar e transmitir a fé, semeada nesta terra por Santa Nino, e levam a água fresca da consolação de Deus a muitas situações de deserto e conflito”, declarou, na homilia da celebração, perante alguns milhares de pessoas reunidas no Estádio Mikheil Meskhi, de Tbilisi.

Francisco aludia à figura de Santa Nino, a ‘Iluminadora’ da Geórgia, conhecida como a anunciadora do Cristianismo neste país, no século IV.

No início e no fim da Missa, o pontífice argentino atravessou a ‘Porta Santa’ do Jubileu da Misericórdia que está habitualmente na localidade georgiana de Rustavi, ao ar livre, enquanto se espera que as autoridades municipais autorizem a construção de uma nova igreja.

Num país em que os católicos são menos de 3% da população, o Papa dirigiu-se ao “pequeno e amado rebanho da Geórgia” para desafiar a Igreja local a ir ao encontro dos que vivem “provações e injustiças”, com “inquietação”.

“Há necessidade da unção do coração, desta consolação do Senhor que não tira os problemas, mas dá a força do amor, que sabe carregar o sofrimento em paz. Receber e levar a consolação de Deus: esta missão da Igreja é urgente”, precisou.

Francisco convidou a rejeita qualquer “microclima eclesial fechado” e o “pessimismo”, para abrir “de par em par as portas da consolação”.

“Felizes os pastores que não cavalgam a lógica do sucesso mundano, mas seguem a lei do amor: o acolhimento, a escuta, o serviço. Feliz a Igreja que não se abandona aos critérios da funcionalidade e da eficiência organizativa”, prosseguiu.

O Papa recomendou aos católicos que reservem tempo na sua vida para “a oração silenciosa e de adoração, a Confissão, a

A Missa decorreu no dia em que a Igreja Católica celebra a festa litúrgica de Santa Teresinha do Menino Jesus.

Francisco recordou a vida da santa francesa e disse que “a verdadeira grandeza do homem consiste em fazer-se pequeno diante de Deus”, como as crianças, que não lhe opõem “resistência”.

“Peçamos hoje, todos juntos, a graça de um coração simples, que crê e vive na força suave do amor; peçamos para viver com confiança serena e total na misericórdia de Deus”, concluiu, numa homilia em italiano que foi traduzida para a assembleia à medida que era pronunciada.

No final da Missa, o Papa foi saudado por D. Giuseppe Pasotto, administrador apostólico do Cáucaso (católicos de rito latino).

A comunidade católica na Geórgia inclui fiéis de tradição arménia e assírio-católica.

“Didi madloba! [Muito obrigado]”, declarou Francisco, que saudou os membros da Igreja Ortodoxa georgiana.

Este é o segundo dia da visita do Papa à Geórgia, que ao chegar ao país apelou à coexistência pacífica entre povos, religiões e Estados no Cáucaso, além de rezar pelas vítimas dos conflitos na Síria e Iraque, numa inédita oração com a comunidade assírio-caldeia.

A 16ª viagem internacional do pontificado conclui-se este domingo, no Azerbaijão.

 

(Com Ecclesia)