Encontro com Família Paulista encerrou celebrações do centenário de fundação dos institutos religiosos ligados ao Beato Tiago Alberione

O Papa Francisco disse hoje no Vaticano que a Igreja Católica, em particular os seus religiosos e religiosas, devem anunciar a mensagem do Evangelho com “gratuidade” e “amor”, em particular nas “periferias” da humanidade.

“Todos têm o direito a receber o Evangelho; os cristãos têm o dever de o anunciar, sem excluir ninguém”, declarou, na audiência que concedeu à Família Paulista, assinalando o final das celebrações do centenário de fundação dos institutos religiosos ligados ao Beato Tiago Alberione.

Segundo Francisco, o segredo da evangelização é “comunicar o Evangelho no estilo do Evangelho, na gratuidade, sem negócios, na gratuidade”.

O Papa convidou a renovar o compromisso de “viver a fé e comunicá-la”, em particular através dos instrumentos de comunicação social, sublinhando que o destinatário desta mensagem “é todo o homem, na integralidade da sua história”.

A intervenção deixou uma palavra de encorajamento aos membros da Família Paulista para que prossigam o seu caminho, sem ficar prisioneiros de “estruturas” mundanas, no anúncio do Evangelho a quem não o conhece ou rejeita, porque muitos desejam “secretamente” receber esta mensagem.

A dois dias do início do Ano da Vida Consagrada, Francisco disse que “as pessoas consagradas são testemunhas particulares” da esperança e da alegria cristãs, “a alegria que brota da experiência última de Deus”.

Neste contexto, aludiu ainda à importância da “fraternidade genuína” e a “completa oblatividade” no serviço da Igreja e dos irmãos, em particular os mais necessitados.

À Família Paulista, em particular, convidou a rejeitar o exemplo dos media que procuram o “espetáculo dos conflitos”.

“Todo o vosso trabalho, o zelo apostólico, deve estar cheio por este amor pela unidade” da Igreja, prosseguiu, numa passagem do discurso sublinhada por uma salva de palmas.

O Papa elogiou o percurso de vida do Beato Tiago Alberione, convidando os presentes a seguirem este carisma com “criatividade e fidelidade dinâmica”, testemunhando o Evangelho “com a própria vida”.

“Muitos esperam ainda conhecer Jesus Cristo. A fantasia da caridade não conhece limites”, referiu.

A Pia Sociedade de São Paulo foi fundada pelo Beato Tiago Alberione em Alba, Itália, quando deu início, juntamente com alguns seminaristas, a uma tipografia, desenvolvendo o carisma da evangelização através da comunicação; o sacerdote italiano constituiu ainda congregações religiosas femininas, a que se juntam leigos e leigas consagradas, além de cooperadores e famílias ligadas a este carisma, num total de 10 institutos.

 

CR/Ecclesia/VA