Francisco convida ainda católicos a exame de consciência sobre os seus «ídolos»

O Papa Francisco rezou hoje no Vaticano por todos os que vivem com medo ou incerteza sobre o futuro, por causa da pandemia da Covid-19.

“Nestes dias de tanto sofrimento, há muito medo. O medo dos idosos, que se encontram sozinhos, nos lares, no hospital ou na sua casa, e não sabem o que pode acontecer. O medo dos trabalhadores sem trabalho fixo que pensam como dar alimento aos seus filhos e veem a fome a chegar. O medo de tantos agentes sociais que neste momento ajudam a sociedade a seguir em frente e podem apanhar a doença”, disse, antes da Missa a que presidiu na Capela da Casa de Santa Marta, onde reside.

A celebração, com transmissão online, evocou também os medos de cada um, neste momento.

“Rezemos ao Senhor, a fim de que nos ajude a ter confiança, a tolerar e vencer os medos”, disse Francisco.

Na homilia, comentando o episódio bíblico da adoração do bezerro de ouro, o Papa convidou os católicos a um exame de consciência sobre os próprios “ídolos escondidos”.

“A pergunta que hoje devemos fazer é: qual é o ídolo que está no coração, no meu coração. Aquela saída escondida onde me sinto bem, que me distancia do Deus vivo”, referiu.

A homilia sublinhou que a idolatria leva a uma “religiosidade errada”, podendo mesmo transformar “a celebração de um sacramento numa festa mundana”.

A Missa concluiu-se com a adoração e a bênção eucarística, tendo o Papa convidado a fazer a Comunhão espiritual.