Ouvidor das Flores está de saída ao fim de nove anos de serviço a ocidente

O Pe Davide Barcelos, que há nove está a servir as comunidades da ilha das Flores primeiro como pároco depois como ouvidor numa experiência in solidum envolvendo todas as paróquias da ilha, está de partida para os Arrifes, na ilha de São Miguel.

O sacerdote , ordenado há 11 anos, vai servir a partir do próximo dia 25 de julho, as comunidades da Saúde e dos Milagres, duas paróquias que integram a ouvidoria de Ponta Delgada.

Na hora da despedida têm sido várias as homenagens prestadas pelas diferentes comunidades paroquiais florentinas. A primeira foi a paróquia da Matriz da Fajãzinha que, no passado dia 06 de julho, realizou uma festa com a celebração de uma Eucaristia na Igreja Paroquial,  animada pelo grupo coral e nela participaram, praticamente, todos os fiéis da pequena comunidade florentina. Seguiu-se um jantar convívio ofertado pelos paroquianos e a entrega de algumas lembranças, informa uma nota enviada esta quinta feira ao Sítio Igreja Açores.

No dia seguinte foi a vez da Paróquia-Matriz de Santa Cruz que organizou uma celebração nos mesmos moldes, com a presença do grupo de escuteiros da paróquia. Ontem, foi a vez de  Ponta Delgada(na costa norte da ilha) que, para além da celebração animada pelo grupo coral e “bem participada pelos locais”, ofertou ao sacerdote um paramento vermelho, cor litúrgica do dia do seu padroeiro, São Pedro. No momento da entrega da lembrança foi lido um poema redigido para a ocasião.

A celebração contou com a participação dos crismados deste ano no ofertório e no  jantar convívio que se seguiu  participou um grupo de alunos da disciplina de Educação Moral E Religiosa Católica, da Escola Básica e Secundária da Ribeira Grande (São Miguel) que se encontra na Ilha, acompanhados pelo Pe. Vítor Medeiros que foi também pároco na comunidade entre 2007 e 2009.

Em todas as comunidade tem sido sublinhado “ o modelo de pastoral in solidum implementado entusiasticamente pelo sacerdote, que vigou com sucesso”.

A ouvidoria das Flores é uma das mais despovoadas do arquipélago e este ano está a viver uma festa que assinala os 500 anos de presença da Igreja Católica no ponto mais ocidental da Europa.

A ilha tem onze paróquias e dois curatos. Atualmente servem na ilha quatro sacerdotes e um diácono.

CR (com a colaboração de Jacob Vasconcelos)