Movimento da Mensagem de Fátima leva 23 crianças açorianas à peregrinação nacional de 9 a 10 de junho

23 crianças açorianas, 15 de São Miguel e oito da Terceira, participam na Peregrinação Nacional de Crianças a Fátima, organizada anualmente pelo Movimento da Mensagem de Fátima (MMF) entre os dias 9 e 10 de junho, apurou o Sítio Igreja Açores junto do Secretariado Diocesano deste Movimento.

O grupo açoriano é composto por crianças da catequese, entre os 10 e os 12 anos e por cinco adultos, entre catequistas e responsáveis diocesanos do MMF.

“Trata-se de uma peregrinação festiva e o nosso objetivo é que estas crianças possam aproveitar este encontro para aprofundar com alegria o amor a Jesus e a Maria” disse ao Sítio Igreja Açores o assistente espiritual diocesano do Movimento, Pe Júlio Rocha.

A Peregrinação das Crianças a Fátima, este ano, tem como tema “Rezai, rezai muito” e será presidida pelo Bispo Auxiliar de Braga, D. Francisco Senra  Coelho.

Neste ano, quinto ciclo de preparação do centenário das Aparições de Fátima, o grande tema da peregrinação centra-se na aparição de Nossa Senhora em Agosto, nos Valinhos, em que insiste: “rezai, rezai muito e fazei sacrifícios”, refere uma nota na página oficial do MMF organizador da iniciativa.

“Nestas palavras da Senhora, intuímos a necessidade e a força da intercessão daqueles que, solidários pela salvação dos seus irmãos, rezam e se sacrificam por eles – uma intercessão que radica no mistério da Comunhão dos Santos, uma solidariedade, que une os membros do Corpo místico de Cristo, que é a Igreja, porque formamos um só corpo”, refere ainda a página.

“A expressão de Nossa Senhora, que é um apelo: Rezai, rezai muito. sublinha o mistério da nossa intercessão junto de Deus, a favor de outros, algo que as crianças poderão perceber a partir da experiência da intercessão da mãe junto do pai: quando querem qualquer coisa do pai, muitas vezes dizem à mãe para pedir ao pai o que elas desejam”, conclui.

A Peregrinação das Crianças ao Santuário de Fátima tem-se tornado um acontecimento de referência para muita gente, como o confirma a enorme multidão de crianças e também adultos que, no dia 10 de Junho, em cada ano, enche por completo o Recinto do Santuário. No ano passado segundo dados da organização estiveram presentes cerca de 190 mil pessoas.

A diocese de Angra tem participado nesta peregrinação desde 1995, apenas com dois ou três anos de interregno.

“Para as nossas crianças é também uma oportunidade de alargar horizontes. Nós somos pequenos, só o mar é grande e quando eles chegam ao Santuário e percebem a dimensão do espaço também se apercebem da universalidade da Igreja”, acrescentou ainda o Pe Júlio Rocha informando que as crianças além de participarem no programa oficial da peregrinação, têm também um programam e visitas próprias que passam pelos museus de cera com a história de Jesus e a história de Fátima.

“Já estamos a preparar esta peregrinação há umas semanas e por isso julgo que as crianças estão imbuídas no espírito da peregrinação” conclui o responsável diocesano, a que “não é alheio um clima de festa”.

A peregrinação começa no dia 9 com a Visita aos locais das Aparições do Anjo: Loca do Cabeço e Aljustrel; seguida de Encontro na Capelinha das Aparições e partida em procissão para os Valinhos onde haverá uma celebração da noite: Uma coroa de rosas, pelos pecadores. No dia 10, logo pela manhã, Oferta de flores (de papel) a Nossa Senhora, na Capelinha das Aparições seguida de uma Encenação: Aprender a rezar com os Pastorinhos, na Basílica da Santíssima Trindade. À tarde, a peregrinação termina com a celebração de despedida, também na Basílica: Levar no coração o apelo: “rezai, rezai muito”.

A história desta Peregrinação começou em 1977. Nesse ano celebravam-se os 60 anos das Aparições de Nossa Senhora e, como “foi a crianças que a Virgem falou”, o Secretariado da Catequese do Patriarcado de Lisboa, a Cruzada Eucarística, a Postulação dos Pastorinhos e o Santuário, pensaram realizar uma Peregrinação de Crianças a Fátima.

Desde então, no dia 10 de Junho de cada ano, por ser o Dia do Anjo de Portugal que tanta relação tem com Fátima e com as próprias crianças, começou a realizar-se sempre esta Peregrinação, com uma afluência crescente, agora não só de crianças mas também de muitos adultos, o que faz com que seja uma das maiores peregrinações à Cova da Iria.