O Papa presidiu hoje, no Vaticano, à ordenação de nove sacerdotes, que desafiou a serem “pastores” próximos das pessoas e sem ambições de carreira nem apego ao dinheiro.

“Por favor, afastai-vos da vaidade, do orgulho, do dinheiro. O diabo entra pelo bolso. Pensai nisto, sede pobres, como é pobre o santo povo fiel de Deus”, declarou, durante a Missa que assinalou o 58.º Dia Mundial de Oração pelas Vocações.

Francisco convidou os novos sacerdotes a imitar um Deus que “não se cansa de perdoar” e a evitar a ideia de “carreira eclesiástica”, para que os padres não sejam “funcionários” nem “arrivistas”.

“Isto não é uma carreira, é um serviço. Um serviço como o que Deus fez ao seu povo”, indicou.

O Papa lamenta que alguns membros do clero se tornem “empresários sem coração” e insistiu na necessidade da proximidade no ministério sacerdotal.

“Pastores, próximos de Deus, ao bispo, entre vós e ao Povo de Deus”, recomendou.

“Não fecheis os corações aos problemas. E vereis tantos, os problemas da gente: quando as pessoas vêm partilhá-los, perdei tempo escutando-as e consolando-as. A compaixão leva ao perdão, à misericórdia. Por favor, sede misericordiosos”, disse.

Francisco aconselhou aos sacerdotes um “estilo de proximidade, estilo de compaixão, estilo de ternura”.

A homilia, num tom coloquial, destacou a necessidade de oração, advertindo que “um sacerdote que não reza, lentamente, apaga o fogo do Espírito, dentro de si”.

O Papa recomendou a proximidade ao bispo, símbolo da “unidade”, mesmo nos momentos mais difíceis, e a proximidade entre os membros do clero, falando “cara a cara”.

“Nunca falem mal de um irmão sacerdote”, pediu.

A intervenção sublinhou a centralidade da proximidade “ao Santo Povo fiel de Deus”, de onde vieram os novos padres.

“Sacerdotes do povo, não clérigos de Estado”, apontou.

Francisco disse que este é um caminho “bonito”, que conta com a ajuda de Jesus e da Virgem Maria.

“Não tenhais medo”, concluiu.

A celebração teve início às 09h00 (menos uma em Lisboa), na Basílica de São Pedro.

Os sacerdotes foram ordenados no IV Domingo de Páscoa, conhecido como o domingo do ‘Bom Pastor’; seis estudaram no Pontifício Seminário Maior Romano, dois no Colégio diocesano Redemptoris Mater e um no Seminário Nossa Senhora do Divino Amor – Mateus Henrique Ataíde da Cruz, natural do Brasil.

A Igreja Católica celebra hoje o Dia Mundial de Oração pelas Vocações, que tem como tema ‘São José: o sonho da vocação’.

 

Na recitação da oração do ‘Regina Caeli’, o Papa apresentou uma reflexão sobre a figura de Jesus, “verdadeiro pastor”, em contraste com os “mercenários”, quando o lobo ameaça o rebanho.“O amor pelas suas ovelhas, isto é, por cada um de nós, leva-o a morrer na cruz, porque esta é a vontade do Pai, que ninguém se perca. O amor de Cristo não é seletivo, abraça todos”, disse.

Francisco destacou a importância de acolher todos os que se aproximam das comunidades católicas e ir ao encontro de quem não o faz, “com atitude humilde e fraterna”.

O Papa pediu um aplauso para os novos sacerdotes e convidou à oração, para que Deus “multiplique as vocações à Vida Consagrada”.

(Com Ecclesia)