D. João Lavrador inaugurou debate sobre o tema, numa iniciativa promovida pelo Secretariado Nacional das Comunicações Sociais

O presidente da Comissão Episcopal da Cultura, dos Bens Culturais e das Comunicações Sociais disse hoje em Lisboa que a mensagem do Papa sobre as chamadas fake news se reveste de uma “atualidade impressionante”.

“A pergunta que se coloca na mensagem é como poderemos reconhecer as notícias falsas? A resposta manifesta a sua dificuldade porque se revestem de mecanismos refinados”, assinalou o bispo de Angra, na abertura de um debate sobre a mensagem do Papa para o 52º Dia Mundial das Comunicações Sociais (13 de maio de 2018), divulgada esta quarta-feira.

O prelado afirmou, na sua Intervenção ,  que se trata de uma mensagem  com “uma atualidade impressionante que se propõe versar a denúncia das falsas notícias e a promoção da verdade na comunicação social”, acrescentou.

O responsável sublinha que o texto apresenta o jornalista como “guardião” que terá de reconhecer sempre que no centro das notícias estão “as pessoas”.

D.João Lavrador alertou para um “uso manipulador das redes sociais e das lógicas que subjazem ao seu funcionamento” bem como a “ambientes digitais homogéneos e impermeáveis a perspetivas e opiniões divergentes”, citando o Papa.

Francisco, acrescentou, aponta “o caminho da educação” e a necessidade de “um discernimento profundo e cuidadoso” neste campo.

O presidente da Comissão Episcopal da Cultura, dos Bens Culturais e das Comunicações Sociais sustentou que o texto do Papa “interpela ao sentido profundo e responsabilidade de quem comunica”, sublinhando o valor da dignidade humana, “a salvaguardar em toda a lógica comunicativa e em todos os meios que se utilizam”.

O debate no auditório da Rádio Renascença, em Lisboa, é uma iniciativa do Secretariado Nacional das Comunicações Sociais, com o objetivo de analisar as “fake news” e a sua “intromissão no ambiente informativo”.

Foram convidados Begoña Iñiguez, correspondente da rádio de Espanha Cadena COPE; Teresa Canto Noronha, jornalista da SIC; Olivier Bonamici, comentador da Eurosport; e Vítor Bandarra, jornalista da TVI; o moderador é Ricardo Conceição, jornalista da Renascença.

 

(Com Ecclesia)