II Jornadas de Teologia reúnem teólogos e investigadores na área da Literatura

O Seminário Episcopal de Angra vai promover entre os dias 27 de fevereiro e 1 de março as II Jornadas de Teologia, que irão refletir sobre “Deus na pena dos homens”- o diálogo entre Teologia e Literatura.

Durante três dias teólogos, professores e investigadores na área da Literatura vão analisar a presença de Deus no pensamento e na obra de grandes autores da literatura mundial , nacional e até açoriana.

Nomes como Dostóievski, Kafka, Ernst Hemingway, Vitorino Nemésio ou Virgílio Ferreira vão estar no centro da análise dos conferencistas.

As jornadas iniciam-se às 20h00 do dia 27, com a sessão de abertura pelo Bispo de Angra, D. João Lavrador. Segue-se uma breve saudação do Reitor do Seminário e o lançamento da Revista “Fórum Teológico XXI”, por Sérgio Toste.

A noite prossegue com as intervenções do Professor Osvaldo Silvestre (Universidade de Coimbra) com uma conferência intitulada Dizer o inefável: literatura e teologia negativa e do Professor Onésimo de Almeida (Brown University) sobre  Literatura açoriana – algumas questões éticas I .

No dia 28 de fevereiro, o Professor Urbano Bettencourt (Universidade dos Açores) falará sobre Vitorino Nemésio – o peixe eterno e a alma encardida e Onésimo de Almeida regressará com  Literatura açoriana – algumas questões éticas II.

No dia 1 de março, a Professora Rosa Goulart (Universidade dos Açores) apresentará uma conferência sobre  Vergílio Ferreira: o Deus que (lhe) morreu e o Pe. José Júlio Rocha (Seminário de Angra) apresentará uma conferência sobre Fé e Literatura: três ensaios sobre a esperança.

As jornadas terminam com um momento musical pela Academia de São Tomás de Aquino.

As Jornadas de Teologia são um momento de grande elevação cultural e debate proposto pelo Seminário Episcopal de Angra à sociedade açoriana, permitindo uma maior proximidade entre a igreja e a sociedade civil, papel que a instituição sempre desempenhou.

Recorde-se que o Seminário protagonizou ao longo de mais de século e meio de vida um papel proeminente na sociedade açoriana formando muitos dos quadros políticos, sociais e académicos do arquipélago, desempenhando um papel fundamental na instrução superior de dezenas de alunos. Um papel que desempenhou particularmente até à criação da Universidade dos Açores.

O Seminário de Angra tem neste momento 20 alunos.