Cónego Hélder Miranda Alexandre preside às Festas de Santa Maria Madalena, no Pico, que arrancaram esta segunda feira

A “hospitalidade” e o “acolhimento” devem ser uma marca que distingue os católicos e por isso deve nortear toda a vida da igreja, disse esta segunda feira o Reitor do Seminário Episcopal de Angra que está a  pregar, desde ontem, o novenário das Festas de Santa Maria Madalena, na ilha do Pico, nos Açores.

A partir da liturgia da palavra do dia e tendo em conta o tema deste novenário “Com Maria Madalena, da Alegria do Evangelho à saída missionária da Igreja”, o sacerdote sublinhou a necessidade dos cristãos “praticarem a hospitalidade, sobretudo com os mais pequeninos da sociedade”.

“A igreja deve ser como uma mãe de coração aberto, que a todos acolhe. Tal como abrimos as janelas da nossa casa para entrar o sol e a luz também devemos abrir os nosos corações para vivermos em conjunto”, disse  ainda o Cónego Hélder Miranda Alexandre.

A homilia , fortemente inspirada na Exortação Apostólica “A Alegria do Evangelho”, onde “me vou inspirar para estas pregações”, destacou a necessidade de “colocarmos de lado algum egoísmo” e  “valorizarmos o acolhimento, o saber escutar e cuidar”.

As Festas em honra de Santa Maria Madalena, na ilha do Pico,  realizam-se de 13 a 22 de julho tendo como mote “Com Maria Madalena, da Alegria do Evangelho à saída missionária da Igreja”.

“Ao celebrarmos as nossas festas maiores, dedicadas àquela de quem esta vila e concelho receberam o nome, Santa Maria Madalena, nossa amada Padroeira, saudamos todos os madalenenses e todos aqueles que de perto e de longe nos visitam nestes dias festivos” refere na sua mensagem de boas vindas o pároco e ouvidor eclesiástico da ilha do Pico, Pe Marco Martinho.

A festa começou com a Eucaristia Solene na segunda feira, às 19h30, que marca também o arranque do novenário, transmitido em direto pela Rádio Pico. Esta celebração contou com a presença, “muito significativa” dos seminaristas que participaram na Missa Nova do pe Pedro Aguiar, no dia anterior e “constituiu também uma oportunidade par, em conjunto com a comunidade da Madalena, rezarmos pelas vocações e pelo Seminário”, disse ainda o Cónego Hélder Miranda Alexandre.

Já hoje, no segundo dia do novenário, e depois de ontem ter pedido aos cristãos para “abrirem os seus corações”, o sacerdote insistiu na importância do Sacramento da Confissão como forma de se fazer “um caminho limpo”.

“Muitas vezes não olhamos para dentro de nós, não vemos como estão os nossos gestos e o primeiro passo de oração é reconhecermos a nossa miséria, o nosso pecado e as nossas falhas, com honestidade”, disse o Cónego Hélder Miranda Alexandre.

“Abafar ou esconder ou, ainda, fazer de conta que está tudo bem está errado”, disse ainda o sacerdote, destacando a importância “de reconhecer o que está mal e pedir perdão a Deus” porque o “nosso Deus é um Deus de misericórdia”.

Todas as celebrações serão precedidas de exposição do Santíssimo e animadas pelos diferentes grupos paroquiais, desde a catequese, aos grupos de jovens, passando pelo coro e pelos escuteiros.

A eucaristia de encerramento do novenário tem lugar no dia 21 de julho e no dia 22 celebra-se a solenidade de Santa Maria Madalena.

As cerimónias arrancam às 10h30 com a Eucaristia com Celebração do Sacramento do Batismo, animada pelo Agrupamento 904 do CNE da Madalena, segue-se a bênção anual das viaturas e saudação à Padroeira e às 17h00 a Solene Concelebração da Eucaristia. No final haverá o desfile de filarmónicas e saudação à Padroeira, a que se segue a Procissão, onde se incorporarão os Fiéis, Organismos Paroquiais, Forças Vivas do Concelho, Autoridades e Filarmónicas.

As festas, que associam um programa profano aos eventos religiosos, resultam de uma organização conjunta de várias entidades entre as quais a Câmara Municipal da Madalena.

 

(Notícia atualizada às 20h00 de hoje)