Foto: Agência Lusa

Celebração decorre no sábado, dia 7, pelas 18h00. Diocese recorda o juíz conselheiro como um homem que respeitou sempre a Igreja e a “teve presente”

A diocese de Angra vai lembrar no próximo dia 7 de janeiro, pelas 18h00, a memória do antigo Ministro da República para os Açores, Alberto Sampaio da Nóvoa, que faleceu no sábado dia 31, com uma celebração na Sé, presidida pelo Administrador Diocesano.

Na hora da despedida, numa nota enviada ao Sítio Igreja Açores esta quarta-feira, dois dias depois do seu funeral em Oeiras, realizado no dia 2 de janeiro, o cónego Hélder Fonseca Mendes recorda a proximidade que o Juíz Conselheiro manteve sempre com a Igreja dos Açores, em particular com o 38 º bispo de Angra, D. António de Sousa Braga. A este propósito, lembra mesmo uma mensagem trocada já este ano, aquando da morte do prelado, em agosto, onde o próprio Sampaio da Nóvoa recordava os tempos que viveu nos Açores.

” Durante o meu mandato como Ministro da República, entre 1997 e 2002, a Igreja dos Açores esteve sempre presente, a começar desde logo pelo Bispo de Angra, D. António de Sousa Braga, continuando com sacerdotes de várias ilhas e pelos eventos de natureza religiosa em que tive a oportunidade de participar. Também a diocese de Angra do Heroísmo foi muito importante para mim, pois foi na sua área em que permaneci mais tempo, por ter ali a residência oficial. Tenho muito gosto em escrever sobre o cargo que exercia nos Açores (…) Alberto”, refere a nota transcrevendo a missiva do antigo Ministro dirigida ao Administrador Diocesano.

“O Doutor Alberto Sampaio da Novoa participava, sempre que estava na ilha Terceira, na missa dominical da manhã na Sé, acompanhado da sua mulher” assinala ainda o sacerdote destacando as referências à igreja católica açoriana feitas pelo ex-Ministro da República, nas suas memórias publicadas em 2020, intituladas “Açores, uma íntima relação”, onde sublinha a importância do Culto ao Divino Espírito Santo, as “procissões” em que participou e o trato com D. António Sousa Braga “pessoa de tão elevadas qualidades”.

“Sentimos a sua perda e a falta da sua amizade” conclui o Administrador Diocesano.

O antigo Ministro da República para os Açores Alberto Sampaio da Nóvoa morreu aos 95 anos.

Foi ajudante do Procurador-Geral da República, em Lisboa, desde 1963, e participou na instalação da Provedoria de Justiça, onde foi coordenador, a partir de 1976. Em 1978, foi nomeado juiz conselheiro do Supremo Tribunal Administrativo.

Em 1993, Alberto Sampaio da Nóvoa foi escolhido vice-presidente do Supremo Tribunal Administrativo, sendo eleito no mesmo ano presidente do tribunal, funções que desempenhou até à sua jubilação, em 1997.

De 1997 a 2003 foi ministro da República para os Açores e, sobre essa experiência política, publicou um livro, “Açores, uma íntima ligação”, em 2020.