Depois do Evangelho de Marcos, Pe. Francisco Ruivo fala sobre a importância de Maria no Evangelho

Terminou esta sexta feira, nas Furnas, a XXIII Semana Bíblica Diocesana com um apelo para que todos sejam capazes de sentir “o ardor da palavra de Deus todos os dias, saboreando-a e meditando nela”.

“Muitas vezes abandonamos a oração porque não saboreamos nada. Saborear cada uma das palavras e meditar em cada uma das frase é de um alimento fundamental” disse o Pe. Francisco Ruivo, biblista da diocese de Santarém.

Depois de três dias de exegese sobre o Evangelho de São Marcos, que decorreu na Lagoa, em São Miguel, o sacerdote, já nas Furnas, na ouvidoria da Povoação, dedicou-se à meditação sobre três textos bíblicos que falam de Maria: a Carta aos Gálatas, no capítulo 3 do Evangelho de São Marcos; os Atos dos Apóstolos e o Magnificat, no Evangelho de Lucas.

Na sessão de encerramento, o sacerdote centrou-se no evangelho de Lucas, “aquele que mais fala sobre Maria e o papel da mulher na igreja nascente”, despois da morte de Jesus.

“Este evangelista revela um carinho muito especial pela figura da mulher nesta viagem missionária e de anúncio do reino. Elas são as grandes anunciadoras e são testemunhas servindo Jesus”, referiu o Pe. Francisco Ruivo que sublinhou a perspetiva de serviço e a dimensão maternal das mulheres, em especial de Maria.

Através da leitura dos Atos dos Apóstolos, o sacerdote destacou a importância de Maria na escuta da palavra e a forma como ela segue essa palavra.

“É curioso ver que nos Evangelhos, os apóstolos pedem a Jesus para os ensinar a rezar; Jesus ensina-os mas nunca reza com eles (Jesus fá-lo na intimidade do Pai); é Maria que aparece a rezar em comunidade, na igreja nascente”, referiu ainda.

A última sessão da XXIII Semana Bíblica Diocesana, promovida pelo Secretariado Bíblico de São Miguel, promoveu uma reflexão intercalada entre os Atos dos Apóstolos e o Magnificat para sublinhar a importância do papel de Maria, como Mãe de Jesus e da Igreja, falando-nos Dele com a linguagem do seu coração materno.

O sacerdote de Santarém falou da sua missão fundamental ao lado de Jesus: “ela é mãe e discípula e ajuda-nos a contemplar o amor misericordioso de Deus por nós e pela humanidade sendo a grande intérprete e testemunha da igreja missionária; aquela que está em saída permanentemente”, concluiu destacando que “Em Maria encontramos a entrega, o sofrimento mas também a luz pascal da esperança da ressurreição”.

“É esta alegria que temos de ser capazes, enquanto igreja, de anunciar colocando de parte algum pessimismo”, disse ainda destacando que todos os cristãos se devem “inspirar no sim de Maria”, imitá-la “na sua alegria” apesar do sofrimento “que todos tal como Maria experimentam na vida”.

A XXIII Semana Bíblica terminou em São Miguel com uma participação de mais de 200 pessoas que durante esta semana aprofundaram os conhecimentos da Bíblia. Em São Miguel há vários grupos bíblicos que com regularidade se encontram para meditar na palavra, em praticamente todas as ouvidorias.

Recorde-se que atualmente na ouvidoria de Ponta Delgada decorre todas as terças feiras, até dia 27 de março, o “Encontro com a Bíblia”, no Convento da Esperança em meditações conduzidas pelo Pe. Marco Bettencourt Gomes.