Diocese de Angra comemora 481 anos no próximo dia 3 de novembro

A Diocese de Angra, que completa 481 anos de vida, no próximo dia 3 de novembro, continua a registar senão a maior, pelo menos uma das maiores percentagens de população católica do país.

Dos 247.066 habitantes nas nove ilhas do arquipélago, 228.285 dizem-se católicos, isto é, 92,39% dos açorianos ou residentes nos Açores professam a religião católica registando-se aqui, também, uma das mais altas taxas de prática dominical.

Com um total de 165 paróquias e 22 curatos, a Diocese dispõe de 160 sacerdotes e seis diáconos permanentes, mobiliza milhares de leigos nos vários movimentos e serviços da Igreja, a começar pela catequese, registando-se 2.878 catequistas para 22.892 catequisandos, do primeiro ao décimo ano.

Os números não têm variado muito de ano para ano, e de acordo com informação relativa a 2014, disponibilizada pela Cúria a partir dos dados obtidos junto dos párocos, na diocese de Angra celebraram-se 469 casamentos e 2457 batismos. Os números são bem mais expressivos quando falamos de primeira comunhão realizada por 2442 crianças; da profissão solene de fé, feita por 2078 adolescentes e crismas celebrados por 2083 jovens. Por outro lado, as duas escolas católicas- Colégios de Santa Clara e São Francisco Xavier, nas duas principais ilhas- , que oferecem vários níveis de ensino, mobilizam cerca de 800 crianças, desde a creche ao final do segundo ciclo.

A Diocese, criada há 481 anos pelo Papa Paulo III, através da Bula Aequum Reputamus, possui, ainda 10 casas para a terceira idade, orientadas sobretudo por congregações religiosas, 3 centros de acolhimento de jovens e três casas de acolhimento para vítimas de violência.

Nos Açores existem, ainda, 59 centros sociais canonicamente eretos, 47 confrarias e 23 misericórdias. A expressão da dimensão da religiosidade popular manifesta-se no número de irmandades do Divino Espírito Santo que as nove ilhas têm- 254.

A Diocese de Angra está organizada em 16 ouvidorias, oito delas correspondem à ilha toda- Terceira, Faial, Pico, São Jorge, Flores,Corvo, Graciosa e Santa Maria- e só na maior ilha do arquipélago existem 8 ouvidorias- Ponta Delgada, Nordeste, Povoação, Ribeira Grande, Vila Franca do Campo, Fenais da Vera Cruz, Capelas e Lagoa.

A sede da diocese é em Angra, tendo como catedral a Sé de Angra, dedicada a São Salvador do Mundo e padroeiro o Beato João Batista Machado.

Criada em 1534 , até essa data os Açores integravam a Diocese do Funchal, que um ano antes tinha passado a Arquidiocese, e a de Angra passou a ser sufragânea desta até à sua extinção como Arquidiocese, passando depois a fazer parte da Província eclesiástica de Lisboa, situação que permanece até aos dias de hoje.

A organização religiosa do arquipélago, como as restantes terras do além-mar português então descoberto, começaram por estar sujeitas à jurisdição espiritual da Ordem de Cristo, exercida pelo vigário nullius de Tomar, que mandava visitar as ilhas por representantes, os chamados bispos de anel. Ao ser criado o bispado do Funchal (1514), o arquipélago açoriano passou a integrá-lo.

A pedido de D. João III de Portugal, o papa Clemente VII, ainda, criou o bispado de São Miguel (1533), mas faleceu antes da bula respetiva ter sido expedida.

No ano seguinte, o recém-eleito papa Paulo III pela bula Aequum Reputamus erigiu o bispado de São Salvador do Mundo, dando-lhe por catedral a igreja do mesmo nome na cidade de Angra.

Conta atualmente com a presença de 15 institutos religiosos, três deles masculinos e os restantes femininos.

D. António de Sousa Braga é o 38º Bispo de Angra e o segundo natural dos Açores, mais concretamente de Santa Maria.

Quando resignar, ao que tudo indica em março do próximo ano, será substituído por D. João Lavrador, que acaba de ser nomeado Bispo Coadjutor de Angra. Com 59 anos de idade o futuro 39º Bispo de Angra é natural de Mira, Coimbra, e foi até agora, Bispo Auxiliar do Porto.