Por Carmo Rodeia

O Papa enviou uma mensagem aos participantes do Congresso Internacional de Teologia em Buenos Aires, que terminou no passado dia 3, na qual apela ao diálogo da Igreja com a sociedade.

Francisco recorda que o teólogo é principalmente “filho do seu povo”, que “encontra as pessoas, as histórias”, conhece “a tradição”, e é também “um fiel”, que “tem experiência de Jesus Cristo, e descobriu que sem Ele não pode viver”.

É ainda um profeta porque, refletindo “a tradição que recebeu da Igreja”, “mantém viva a consciência do passado”, criando o convite ao futuro, em que Jesus derrota a autorreferencialidade e a falta de esperança.

Neste contexto, é fundamental a tradição da Igreja, definida como “rio vivo” que remonta às origens e se projeta em direção ao futuro, que “irriga” terras diferentes, e “alimenta” várias áreas geográficas do mundo.

A tarefa do teólogo, concluiu o Papa, é discernir e refletir sobre o que significa ser um cristão de hoje, em particular num contexto de multiculturalismo, relativismo e globalização que, às vezes (vezes demais) minimizam a dignidade da pessoa, tornando-a uma mercadoria de troca.

Por isso, os teólogos são tão importantes. Por isso, o Papa reforça e recorda o seu papel. Ignorá-lo é desistir do esforço de pensar e de questionar as representações da fé e da moral.

A teologia não é inimiga da razão nem da criatividade humana. Nunca foi, e sem ela a igreja não consegue dialogar com a sociedade, de forma fecunda. Mas, para isso não pode limitar-se a validar religiosamente os princípios que a grande maioria aprova e poucos praticam.

Este ano, comemoramos os 50 anos do encerramento do Concílio Vaticano II, um dos eventos mais marcantes da Igreja no século XX e nunca é demais pararmos para refletir a relação entre a Igreja e a sociedade.

Na abertura da segunda sessão do Concílio, o Papa Paulo VI deixou duas questões: Igreja, que dizes de ti mesma? Igreja, dizei qual é a tua missão?

Basta retomarmos a Lumen Gentium e a Gaudium et Spes, que tratam da missão da Igreja no mundo, para percebermos a resposta: a Igreja está ao serviço das pessoas, ela não quer privilégios. Até porque é mais do que uma estrutura, ela é cada cristão, cada batizado, que está inserido na sociedade por meio do trabalho, das instituições e diversas ações.

O que o Papa Francisco faz é justamente recordar a importância da Igreja estar ao serviço do seu povo; uma igreja em saída, “comunidade samaritana”, que não se abstenha de dar a sua contribuição para que a sociedade viva e respire. Como é que isso será possível? Quando o carisma se sobrepuser à instituição. Como diz o Papa Francisco, “ainda temos que nos sentar juntos”.

Mas já há sinais. As duas últimas decisões do Papa – uma sobre o aborto, deixar de ser pecado reservado, no Ano Santo da Misericórdia ou a simplificação (sem facilitismos) do processo de declaração de nulidade do matrimónio- são mais que sinais. Que vêm de dentro e mostram como a igreja se reinventa, apenas com uma radicalidade: Jesus Cristo.