Pelo Pe José Júlio Rocha.

Naquele tempo, Jesus falou à multidão e aos discípulos, dizendo:
«Na cadeira de Moisés sentaram-se os escribas e os fariseus. Fazei e observai tudo quanto vos disserem, mas não imiteis as suas obras, porque eles dizem e não fazem. Atam fardos pesados e põem-nos aos ombros dos homens, mas eles nem com o dedo os querem mover.» (Mateus 23, 1-4)
O fariseu era o que se julgava puro, separado, cumpridor, melhor que os outros. Era o legalista, o que cumpria por cumprir, o que não falhava em nada mas o seu coração estava longe de Deus. Só o ritualismo exterior importava.
Jesus critica duramente a posição dos fariseus, afirmando que a verdadeira religião deve brotar do coração arrependido e humilde.
Julgo que hoje há muito mais fariseus do que no tempo de Jesus…