Pelo Pe José Júlio Rocha.

«Vede bem, guardai-vos de toda a avareza: a vida de uma pessoa não depende da abundância dos seus bens». (Lucas 12, 15)
A dignidade de uma civilização depende da importância que ela dá ao Ser ou ao Ter. Vivemos num tempo demasiado dependente dos bens materiais e que relega a vida espiritual para segundo plano.
É demasiado humana a tentação de avaliar as pessoas pelo que têm e não pelo que são.
Que os bens que possuímos não ofusquem a pessoa que queremos ser.