Pelo Pe José Júlio Rocha.

Jerusalém, Jerusalém, que matas os profetas e apedrejas aqueles que te são enviados… (Lucas 13, 34)
Muitos profetas do Antigo Testamento foram mortos em Jerusalém, porque o verdadeiro profeta é incómodo. Assim foi também Jesus.
Jerusalém também é uma metáfora deste mundo, que vira as costas às vozes que anunciam a fé.
A denúncia profética dos males e injustiças do mundo continua a ser um dever da Igreja e dos homens e mulheres de Deus.
Não só palavras doces: também é preciso denunciar o mal.