Pelo Pe José Júlio Rocha.

«Esta viúva pobre deu mais do que todos os outros. Todos eles deram do que lhes sobrava; mas ela, na sua penúria, ofereceu tudo o que possuía para viver». (Lucas 21, 3-4)
Viver é dar-se. A uma causa, aos outros, a Deus.
Quem dá apenas as sobras do seu tempo e da sua vida, guarda para si o mais importante: isto é o egoísmo.
Basta, como exemplo, repararmos na publicidade que inunda os nossos ecrãs: quase sempre apela ao prazer e ao bem-estar do indivíduo; quase nunca à partilha e ao dar.
É difícil ser cristão a sério num mundo tão egocêntrico. Mas é possível.