Pelo Pe José Júlio Rocha.

«Eu, porém, digo-vos: Amai os vossos inimigos e orai por aqueles que vos perseguem, para serdes filhos do vosso Pai que está nos Céus; pois Ele faz nascer o Sol sobre bons e maus e chover sobre justos e injustos.» (Mateus 5, 44-45)
Dar a outra face, perdoar 70X7, amar os inimigos é a “corda esticada ao máximo” do supremo mandamento do Amor. É o “ouro no crisol, sete vezes purificado”, o selo moral que identifica o cristão… ou que o devia identificar.
Podemos inventar todas as desculpas, “dourar a pílula”, ou dizer, como alguns discípulos: “Estas palavras são duras, ninguém as pode suportar” (João 6, 60).
O “vínculo da perfeição” cristã está aqui. Resta-nos bater no peito muitas vezes e, já agora, nunca dizer “eu não mato, não roubo, não tenho pecados”.