Dezenas de voluntários voltam a estar presentes nas grandes superfícies comerciais. Donativos podem ser feitos on-line

Os Bancos Alimentares Contra a Fome estão a realizar a sua campanha anual de recolha de alimentos de novembro, presencialmente este sábado e domingo, dias 27 e 28, e no seu sítio online até 5 de dezembro.

“É assim retomada, depois de uma interrupção imposta pela pandemia, a alegria da partilha, do voluntariado e da solidariedade nesta ação presencial, tão relevante numa altura em que se agravaram as situações de carência de muitas famílias portuguesas”, refere o sítio na internet da Federação dos Bancos Alimentares Contra a Fome.

Nos Açores, as dezenas de voluntários mobilizados para o efeito vão estar nas ruas, junto às grandes superfícies comerciais em São Miguel e na Terceira.

“É um ano duplamente simbólico com muito significado e expectativa pois trata-se de retomar as campanhas de rua e porque são tempos dificeis, que exigem de nós disponibilidade para a solidariedade e para a dádiva, seja com tempo pelos nossos voluntários sejam com bens materiais” refere Mónica Oliveira do banco Alimentar contra a Fome, na ilha Terceira.

“Voltar a normalizar os nossos procedimentos é também bom” refere ainda a presidente do Banco Alimentar na ilha, que recorda a campanha prossegue para além da rua com os donativos em ambiente digital, através da campanha “Ajuda Vale” ou comprando diretamente os produtos numa plataforma que é disponibilizada para o efeito.

Neste peditório durante o fim de semana há ainda outro objectivo que é o de ajudar a economia local. Por isso, além das grandes superfícies, o Banco Alimentar da Terceira irá estar também junto de estabelecimentos comerciais de âmbito mais local de forma a contribuir para a dinamização do pequeno comércio.

Nos dias 27 e 28 novembro, 20 mil voluntários vão estar em 1200 lojas, indica a Federação dos Bancos Alimentares Contra a Fome, “convidando os portugueses à partilha de alimentos com as muitas famílias que enfrentam carências alimentares todos os dias, uma situação agravada pelo impacto económico e social da pandemia ou, quando tal não seja possível, tão só a dar informação sobre a campanha Ajuda Vale”.

“É com muita alegria que anunciamos o regresso das equipas de voluntários ao terreno em mais uma Campanha de Recolha de alimentos dos Bancos Alimentares. Eles são, sem dúvida, a imagem e o corpo desta iniciativa que propõe, desde há 30 anos, a partilha com as famílias que precisam de apoio alimentar. Os voluntários estarão presentes para receber as doações de alimentos e prestar informação sobre a campanha Ajuda Vale” afirma Isabel Jonet, Presidente da Federação Portuguesa dos Bancos Alimentares Contra a Fome, no sítio da internet da organização.

De acordo com a organização, no ano passado, os 21 Bancos Alimentares em atividade distribuíram 29.939 toneladas de alimentos (com o valor estimado de 41,9 milhões de euros), num movimento médio de 120 toneladas por dia útil, prestando assistência a 2.700 instituições e entidades que contribuíram para a alimentação de 450 mil pessoas com carências comprovadas, sob a forma de cabazes ou de refeições confecionadas, de acordo com os dados da Federação Portuguesa dos Bancos Alimentares Contra a Fome.