44ª Assembleia Plenária do Conselho Presbiteral arrancou esta manhã em Angra

Começou esta manhã, em Angra, a 44ª Assembleia Plenária do Conselho Presbiteral com o bispo de Angra a desafiar os sacerdotes diocesanos a refletirem sobre essa tarefa “exigente mas premente e necessária” de colocar a Igreja açoriana em sinodalidade.

A abertura de um sínodo diocesano é um dos três temas que está em cima da mesa dos sacerdotes que participam nos trabalhos- Curia, Ouvidorias, Seminário e Serviços Diocesanos- e D. João Lavrador lembrou que apesar de ser um tema difícil deve merecer a prioridade de todos.

“Tratar da sinodalidade da igreja- (a melhor concretização do espírito do Concilio Vaticano II)- obriga a uma efetiva desinstalação de todos nós sacerdotes, colocar todas e cada uma das comunidades cristãs a trabalhar a vida pastoral que se exige para o hoje da Igreja e implicar todos os batizados. Isso é algo absolutamente necessário e premente” adiantou o prelado sublinhando que é preciso preparar “com urgência” os batizados para que “dialoguem” com o seu mundo a partir da palavra do Evangelho, encarando a evangelização como “uma missão prioritária”.

De resto, a formação, outro dos temas em análise mereceu uma referência no discurso de abertura de D. João Lavrador que reconheceu que, neste último ano, “ já se avançou bastante; já se fez alguma articulação mas fica-nos ainda a pergunta de como conseguimos chegar de forma adequada a todos os batizados”.

O prelado, que abriu os trabalhos desta assembleia plenária, começou por se deter na missão deste conselho, como “senado” que auxilia o bispo na definição de políticas que melhor sirvam as comunidades, e a partir da exortação pós-sinodal Cristo Vive, escrita pelo Papa Francisco na sequência do Sínodo sobre os jovens, a fé a  igreja, lembrou que a igreja deve ser sempre nova mas fiel à palavra de Deus, sem se deixar enredar por modismos ou tentações do mundo, “cansaço e apatia que se sentem em vários sectores..

“Peçamos ao Senhor que liberte a Igreja dos que a querem envelhecer e peçamos que a livre da tentação de que para ser jovem tem de ceder às tentações do mundo”, disse o bispo de Angra, que apelou à “unidade e comunhão” dos presbíteros que só se consegue “com a conversão de cada um”.

Durante os próximos dois dias, os sacerdotes irão ainda discutir uma alteração estatutária deste Conselho Presbiteral com vista a uma maior adequação do órgão às necessidades da igreja de hoje.

“Presidimos à comunidade cristã para suscitar carismas e ministérios de tal modo que seja notória uma comunidade ministerial é a partir daqui que devemos equacionar os temas deste conselho” concluiu o prelado.

Ontem realizou-se a reunião do Conselho Episcopal com os quatro vigários territoriais e formação; e na quarta feira realiza-se o Colégio de Consultores. Até quinta feira, os sacerdotes diocesanos com mais responsabilidade estarão reunidos em Angra, definindo também o tema e as orientações para o próximo ano pastoral.