Mensagem de Natal alerta para acontecimento “marcante” que deve ser vivido de olhos postos nas dificuldades de cada momento

O bispo de Angra acaba de pedir aos diocesanos que aproveitem o espírito do Natal para serem agentes ativos na construção de uma sociedade moldada “pelo amor, pela partilha, pelo acolhimento, pela verdadeira justiça na misericórdia e na paz”, que não deixe ninguém para trás, sobretudo neste tempo particular de pandemia.

Na Mensagem  de Natal, inspirada no Evangelho de Mateus, difundida esta segunda feira, D. João Lavrador sublinha que o Natal é um acontecimento “marcante” e que embora assinale sempre o mesmo- o nascimento de Jesus- deve ser vivido de acordo com “as circunstâncias, sociais, culturais ou religiosas na qual vivem a diversidade de povos e nações”.

A pandemia da Covid-19, que “alterou profundamente a vida em sociedade, que provocou rupturas nas comunidades, projectou medos nunca sonhados e abriu focos de exclusão e de pobreza que vindos já de trás, agora, se acentuaram muito mais”,  “força o despertar” da comunidade cristã açoriana que é agora interpelada a ler “os sinais que são dados e que exigem uma verdadeira auscultação e discernimento”.

“Perante estas trevas que se adensaram sobre a humanidade, urge colocarmo-nos na descoberta da luz que nos guiará até Aquele que de facto nos ilumina e nos projeta numa humanidade nova moldada pelo amor, pela partilha, pelo acolhimento, pela verdadeira justiça na misericórdia e na paz” refere D. João Lavrador na mensagem agora enviada a todos os diocesanos.

“Este Natal encontra a nossa Igreja diocesana empenhada em responder aos Sinais dos Tempos, purificando-se, tornando-se verdadeiramente evangelizadora, dialogando com o mundo de hoje, auscultando e oferecendo o seu testemunho evangélico, sobretudo na partilha com os mais pobres e excluídos do nosso mundo” afirma.

O bispo de Angra recorda várias figuras do acontecimento- os pastores e os magos- para destacar a importância de que todos são importantes para a construção de uma “sociedade de amizade”.

“Tal como aconteceu com os pastores e com os Magos, também cada cristão e cada comunidade são chamados a interpretar os Sinais que nos vêm de Deus mas que estão patentes nas realidades do mundo que sofre e geme e anseia pela verdadeira liberdade, pela verdade autêntica, pela partilha fraterna, numa palavra por uma nova humanidade”, adianta frisando que ninguém pode ficar para trás, “famílias, jovens, pobres , idosos, excluídos , marginalizados, desempregados e refugiados”.

“Hoje, o nascimento de Jesus de Nazaré, como facto histórico que se atualiza permanentemente pela ação do Espírito Santo e que se testemunha pela missão da Comunidade Cristã, continua a dirigir-se aos mais simples que anseiam de Deus a libertação e aos homens da inteligência e da ciência para procurarem os fundamentos últimos do ser, cujo caminho leva até ao encontro com este Menino que acaba de nascer e que é o Filho de Deus”, acrescenta.

“Eis o caminho da nossa Igreja diocesana estimulada pela vivência do Natal, pelo encontro e diálogo únicos e singulares de Jesus de Nazaré com o mundo atual, do Qual aprende os caminhos da evangelização para oferecer, no concreto das suas vidas, a transformação que o Evangelho oferece” refere ainda, numa alusão à caminhada sinodal da igreja diocesana.

A mensagem termina com “votos sinceros” de boas festas a todos os diocesanos “a viver no território dos Açores ou na diáspora”, para os sacerdotes, diáconos, religiosos(as), leigos empenhados em testemunhar o Evangelho da Esperança, para todos os que entregam a sua vida na defesa dos mais débeis, para os que integram o serviço público na promoção do bem comum e da dignidade da pessoa, para as famílias, doentes, crianças, jovens, idosos, emigrantes, pobres e excluídos “ para que, guiados pelo espírito de Natal caminhem “na partilha e no acolhimento, na escuta e no diálogo, na edificação da civilização do amor”.

O bispo de Angra, este ano, vai presidir às celebrações de Natal na Sé de Angra do Heroísmo, de onde será feita a transmissão pela RTP Açores, em direto da Missa do Galo, na noite de 24. A seguir ao Telejornal do dia 25, o serviço público de Televisão emitirá a mensagem de Natal do prelado Diocesano.