Missa Crismal é o primeiro ato público do prelado diocesano na diocese, depois da cirurgia a que foi submetido no dia 9 de março

O Bispo de Angra pediu hoje ao seu clero que não se deixe acomodar perante as dificuldades do tempo presente e cultive “a arte do acompanhamento”.

Durante a homilia da Missa Crismal, na Sé de Angra, o primeiro ato público a que presidiu na diocese  depois de ter sido submetido a uma intervenção cirúrgica a um pulmão, D. António de Sousa Braga desafiou os sacerdotes da diocese a serem “ousados no anuncio do Evangelho da Misericórdia”.

“Nós sacerdotes, temos de correr o risco do encontro com o rosto do outro, de cultivar a arte do acompanhamento, que sabe escutar, que é mais do que ouvir. É a capacidade do coração que torna possível a proximidade” disse o prelado diocesano.

Apesar da problemática “complicada” do tempo presente, “é empolgante e ousado ser hoje ministro ordenado da igreja”, lembrou o Bispo de Angra. No entanto “não nos podemos acomodar; temos é de nos incomodar para encontrarmos os caminhos adequados para anunciar hoje o evangelho da misericórdia”.

O responsável pela Igreja católica nos Açores, que se encontra ainda num período de convalescença pós operatório, indicou o caminho que o clero deve utilizar, propondo um regresso “ao primeiro anúncio, no sentido de que é o anúncio principal, aquele que se têm de voltar a ouvir sempre de diferentes maneiras e aquele que se tem de voltar a anunciar sempre” , garantindo sempre “ a opção pelos últimos”, porque “os pobres são os destinatários privilegiados do Evangelho”. Sobretudo o da misericórdia.

“Nós sacerdotes somos chamados a ser na igreja os dispensadores da misericórdia divina. È o compromisso que queremos explicitar, renovando as promessas sacerdotais”.

O Bispo de Angra presidiu à Missa Crismal, com a Renovação das Promessas sacerdotais , na Sé de Angra, que se celebrou esta terça feira.

Nesta celebração eucarística o prelado diocesano esteve acompanhado, entre outros, pelo Cabido Catedralício, o que aconteceu pela primeira vez em 15 anos.

D. António de Sousa dirigiu-se ainda aos fieis, partilhando “a alegria em presidir a esta Missa Crismal” depois “da longa ausência da Diocese”.

 

“Foi a minha Quaresma. Agradeço a vossa oração e amizade. Foi uma operação séria e a recuperação vai ser lenta. Graças à vossa oração tudo correu bem, sem complicações particulares. Por isso, hoje posso ter a alegria de renovar com o presbitério os compromissos ministeriais de continuar a oferecer a vida, mesmo com as suas limitações, para o bem da igreja”, concluiu.

A Missa Crismal, é uma Missa celebrada na Semana Santa e tem como momento essencial a Bênção dos Santos Óleos, que são os óleos do Crisma, dos Enfermos e do Batismo e a Renovação das Promessas Sacerdotais por parte dos sacerdotes diante do Bispo.