É preciso «fortalecer a solidariedade para com os mais necessitados», dizem os responsáveis católicos

A Comissão dos Episcopados da Comunidade Europeia (COMECE) diz que é preciso dar mais passos na integração dos refugiados, numa altura em que faltam respostas para a crise atual no continente.

Em comunicado enviado hoje à Agência ECCLESIA, aquela organização “saúda as conclusões” saídas do último Conselho da Europa”, esta quinta e sexta-feira, em que os líderes dos 28 estados-membros comprometeram-se a acelerar os processos de acolhimento e realojamento.

No entanto, a COMECE “lamenta que os responsáveis dos países da UE não tenham sido encorajados a uma resposta mais efetiva no que toca à integração das pessoas que buscam asilo” no Velho Continente.

Para abordar esta questão, o presidente da COMECE, cardeal Reinhard Marx, apontou para o início de 2016 “um encontro com bispos de alguns dos territórios de origem, de passagem e de destino dos refugiados e migrantes”.

“Um encontro que terá como objetivo coordenar e avaliar novas medidas e ações no terreno, em matéria de integração”, refere a mesma nota.

Para D. Reinhard Marx, é fundamental “encorajar as autoridades públicas, a sociedade civil e as comunidades católicas nos respetivos países”, no sentido de “fortalecer a solidariedade para com os mais necessitados”.

“Este espírito de vizinhança, de acolhimento, de amor para com os outros é um imperativo para nós cristãos”, frisa o presidente da COMECE.

Aquele responsável aponta ainda o Jubileu da Misericórdia como “uma excelente ocasião para sublinhar que quem cuida dos outros está também a acolher a Deus”.

CR/Ecclesia