Paróquias de São João e de São Roque abrem as portas à nova evangelização.

O Caminho Neocatecumenal acaba de constituir duas novas comunidades na ilha do Pico elevando para 15 o número de comunidades na Diocese de Angra, informa uma nota a que o Portal da Diocese teve acesso esta terça feira.

 

 

Depois de um mês e meio de encontros nas paróquias de S. João e S. Roque, com a participação dos párocos Pe Francisco Rodrigues e Pe Júlio Rocha, respetivamente, “concluiu-se a primeira fase da evangelização” levada a cabo pela equipa de catequistas itinerantes, Lourenço e Paula Tourais, Padre Sixto e o seminarista Marcin Sek,  com um retiro  de fim de semana, no qual participaram 30 pessoas.

 

 

“Depois de confirmado o interesse destes irmãos em fazerem esta iniciação cristã, foram formalmente constituídas as duas primeiras comunidades neocatecumenais da Ilha do Pico, tendo sido escolhidas as equipas de responsáveis”, adianta a nota.

 

 

O Caminho Neocatecumenal nasceu há 50 anos em Espanha, por iniciativa do pintor e músico Kiko Argüello e da missionária Carmen Hernández e é reconhecido pela Igreja Católica como “um itinerário de formação católica válido para a sociedade e os dias de hoje”, assente em três pilares fundamentais: a palavra de Deus, a Eucaristia e a vida em comunidade.

 

 

Atualmente o Caminho Neocatecumenal está implantado também em algumas nações tradicionalmente não cristãs, como China, Egito, Coreia do Sul e Japão.

 

No que diz respeito à missão ad gentes, o grupo católico conta atualmente com mais de “230 famílias a trabalharem em 52 cidades”, realça o comunicado do serviço informativo do Vaticano.

 

Nos Açores o Caminho neocatecumenal entrou pela “ mão” de D. António de Sousa Braga, em 2004, e está “instalado” em sete paróquias onde existiam até agora 13 comunidades neocatecumenais, nas ilhas de São Miguel (7) e da Terceira(6).

 

 

O Caminho tem uma estrutura mista de leigos e sacerdotes, que assenta na família, existindo as famílias itinerantes que ajudam a formar as comunidades locais, integradas nas paróquias, em parceria com os respetivos sacerdotes, assumindo-se sempre como um “espaço complementar onde encaixem todos, católicos, ateus, descrentes mas que tenham esta abertura para receber o amor de Deus”, sublinha Lourenço Tourais, que juntamente com a mulher e o Pe Sixto formam a equipa de catequistas itinerante que dá apoio às Dioceses de Cabo verde, Funchal e Angra.