“Todo o trabalho pastoral teve a sua marca de amizade, colaboração, estímulo e testemunho”, diz o agora Administrador Diocesano

O 39º bispo de Angra, bispo eleito de Viana do castelo,, acaba de enviar a todo o clero, e através dele a todos os diocesanos, uma carta de despedida onde salienta “a comunhão e colaboração” de todos, sacerdotes e leigos.

“Todo o trabalho pastoral teve a sua marca de amizade, colaboração, estímulo e testemunho de pastor  nas comunidades cristãs que lhe estão confiadas” salienta o prelado que deixará Angra no dia 27 de novembro, altura em que toma posse como Bispo da Diocese de Viana do Castelo.

“Servi a diocese de Angra (…)Parto mais rico de cultura, de humanidade, de experiência cristã, de comunhão e de amizade” refere o bispo D. João Lavrador.

O bispo, natural de Seixo de Mira, diocese de Coimbra, chegou aos Açores há seis anos, primeiro como coadjutor e depois como bispo residencial.

“Foi, sem dúvida, com enorme surpresa que recebi esta noticia”, mas também “com confiança, forte interpelação à desinstalação e a renovar o que de mais profundo na vida sacerdotal nos identifica com Jesus Cristo”, lembra.

Na carta dirigida ao clero destaca, ainda, a caminhada sinodal que iniciou e que agora se estende a toda a Igreja.

“Estamos empenhados no que chamamos de caminhada sinodal. Este projecto pastoral, hoje exigido pela igreja universal, deve continuar a merecer todo o empenho da igreja diocesana, nomeadamente do clero no futuro”.

A carta termina com um pedido aos sacerdotes: “Pedia-lhe que apresentasse junto dos diocesanos em meu nome uma palavra de saudação e de agradecimento pela sua colaboração, comunhão eclesial e participação na missão da igreja”.

D. João Lavrador foi o 39º bispo de Angra e deixa a diocese seis anos depois de ter sido nomeado para os Açores. Até lá foi bispo auxiliar da diocese do Porto.