A capa dos dois dias principais da festa foi oferecida pela Comissão de Festas do Senhor Santo Cristo no Canadá

A Capa que a imagem do Senhor santo Cristo dos Milagres vai estrear para a festa deste ano foi oferecida pela Comissão de Festas do Senhor Santo Cristo dos Milagres de Brampton, no Canadá.

“Para além das motivações pessoais de fé e de gratidão dos elementos desta Comissão, a razão desta oferta ao Senhor é para marcar o 15º Aniversário da criação desta por um grupo de devotos naquela Cidade onde se encontram milhares de açorianos” informa uma nota enviada ao Igreja Açores pelo Reitor do Santuário. Esta Capa permanecerá na Imagem durante todo o verão

Durante os restantes dias que precedem a festa, a Imagem será coberta pela Capa usada durante a única visita papal aos Açores, que se realizou a 11 de maio de 1991.

Completam-se no dia 11 deste mês, 30 anos, sobre a data da visita de São João Paulo II aos Açores, onde esteve nas ilhas Terceira e São Miguel” refere o comunicado que salienta a importância de assinalar esta visita numa altura particularmente difícil como a que vivem os açorianos, que pelo segundo ano consecutivo, por causa da pandemia não poderão celebrar comunitariamente a sua fé.

“O Santuário do Senhor Santo Cristo dos Milagres, não querendo deixar de celebrar esta efeméride, decidiu que este ano, a capa que cobrirá a Imagem do Ecce-Homo durante a semana de preparação para a Festa, será a mesma que usou naquele ano, quando Sua Santidade se ajoelhou para O comtemplar, orar, e de onde falou ao coração de todos nós” refere o comunicado.

Esta Capa foi oferecida pelos Marqueses da Ribeira Grande, à qual atribuíam o valor de um conto de reis, em 1871.

Os Marqueses da Ribeira Grande, D. Francisco de Sales Maria José António de Paula Vicente Gonçalves Zarco da Câmara e D. Luiza da Madre de Deus da Cunha e Menezes, sua terceira mulher, casaram quatro dias antes de embarcar para esta Ilha, fixando residência em Maio de 1867.

O Marquês, 8º Conde da Ribeira Grande era já viúvo de duas irmãs, filhas do Duque de Cadaval.

“Esta maravilhosa capa, recamada de preciosas joias tais como aljôfares, ametistas, brilhantes, diamantes, topázios, esmeraldas e crisólitas, é primorosamente bordada a ouro com um vistoso desenho” sublinha o comunicado.

Para além das jóias que fazem parte do tesouro do Senhor Santo Cristo, a Imagem possui igualmente uma colecção de Capas, que simbolizam o manto púrpura, com que os algozes cobriram os ombros ensanguentados de Cristo.

A maioria destas Capas são ofertas dos devotos, em cumprimento de promessas por ocasião de grandes aflições.

“São executadas em veludo ou damasco, forradas de cetim e são magnificamente bordadas em alto-relevo e a ouro. Algumas destas Capas estão ornamentadas com as jóias oferecidas ao Senhor. É frequente nelas figurarem os instrumentos da Paixão de Cristo e ainda motivos vegetais de simbolismo religioso, como as folhas de videira, os cachos de uva e as espigas de trigo”, refere a página online oficial do Santuário.

Desta colecção de Capas, destaca-se a oferecida por D. João V, através de sua mulher, D. Maria Ana de Áustria, por El-Rei ter manifestado o desejo do Senhor ter uma Capa do mesmo brocado do seu manto real.

“Por tradição, esta capa era usada todos os anos na procissão conventual que se realiza na manhã do Sábado das Festas, mas atendendo à sua antiguidade, foi substituída pela capa oferecida pelo Morgado Luís da Câmara Coutinho Carreiro de Castro”, lê-se ainda na página.

Algumas destas capas encontram-se expostas para a apreciação de todos quantos visitam o Senhor Santo Cristo, na Cozinha Conventual – Núcleo Museológico.