Tríduo tem transmissão em direto na RTP Açores, a partir das 19h00

As Festas do Senhor Santo Cristo dos Milagres, em São Miguel, são celebradas pelo segundo ano através de uma transmissão televisiva e começam hoje com a primeira das três eucaristias que marcam o arranque das festividades.
As Festas do Senhor Santo Cristo dos Milagres, a maior romaria religiosa dos Açores, que acontece em São Miguel, voltam a ser celebradas através de uma transmissão televisiva, que começa hoje, com a eucaristia do tríduo preparatório, na RTP Açores.
Assim, até quinta-feira, será transmitida, às 19:00, uma missa que será acompanhada “por um pequeno coro, de quatro elementos, no máximo”, explica  o cónego Adriano Borges, reitor do Santuário do Senhor Santo Cristo dos Milagres.
Essas celebrações serão feitas com a colaboração do Conservatório Regional de Ponta Delgada, o Coral de São José e alguns músicos locais, e nela estará presente apenas a comunidade religiosa.
Os fiéis podem visitar a imagem, que estará no Santuário, até sexta-feira às 18:00, altura em que a igreja fecha ao público, voltando a reabrir na segunda-feira.
“No sábado, para marcar a hora da procissão da mudança [da imagem], vamos fazer uma celebração da palavra, a partir do coro baixo, de cerca de meia hora”, que será transmitida na RTP Açores.
Para aquele que seria o dia da grande procissão, o domingo, a partir das 09:30 é transmitida na RTP Açores, RTP 1 e RTP Internacional a celebração da eucaristia, “de modo a chegar também aos emigrantes” açorianos.
O reitor do Santuário lembra ainda que as celebrações podem ser acompanhadas em qualquer parte do mundo através da página de Facebook da RTP Açores.
Deixando um “apelo maior a que as pessoas não se aglomerem naqueles dias junto ao Santuário”, Adriano Borges convida os fiéis a viverem estes dias “de uma forma diferente”, fazendo “uma romaria interior, uma peregrinação interior”.
E concretiza, explicando que cada um deve fazer “uma peregrinação à sua própria vida, à sua própria espiritualidade” e podem até unir-se “uns com os outros, para rezarem em pequenos núcleos familiares, dentro das suas próprias casas”.
“Esta é a forma que nos é pedida este ano de vivermos a Festa do Senhor Santo Cristo, de uma forma mais íntima, mais intimista, mais espiritual e com certeza com a esperança de que, para o ano, tudo seja diferente e a gente já consiga estar todos juntos, dando graças a Deus por termos ultrapassado esta grande tempestade que se abalou sobre a humanidade”, prossegue.
A celebração deste ano é também importante, porque é o último ano em que estarão presentes as irmãs da Congregação das Religiosas de Maria Imaculada, que vão sair do Convento da Nossa Senhora da Esperança.
“Depois de 60 anos estando aqui esta comunidade religiosa, todos sentimos um certo vazio, mas estamos seguros e certos de que, em breve, esperamos nós, haja uma outra congregação de religiosas que possam ocupar o lugar das irmãs”, afirma o cónego.
Esta saída não vai ter impacto no zelo da imagem porque “o reitor é que é o principal e o primeiro guardião da imagem do Senhor Santo Cristo dos Milagres” e há ainda uma “equipa grande de colaboradores, de gente que há anos sem fim, diariamente, está junto da imagem, cuida da imagem, da limpeza, dos arranjos, de tudo isso”, esclarece.
Este ano, a imagem vestirá, durante a semana, a mesma capa que usou em 1991, durante a visita do Papa João Paulo II aos Açores, e, no fim de semana, será estreada uma capa oferecida pela Comissão de Festas do Senhor Santo Cristo dos Milagres de Brampton, no Canadá.
(Com Lusa)